Notícias ban-emc_massive-1

Publicado em 13/09/2011 | por Thiago de Lucca

Os melhores instrumentos virtuais para música eletrônica

Não é de hoje que os sintetizadores virtuais substituíram os analógicos nos estúdios de muitos produtores, seja pelo preço ou devido à facilidade de trabalhar em integração com os softwares, como plugins. 

Comparações à parte (qualquer meio virtual terá textura diferente do analógico), listamos abaixo alguns dos melhores synths virtuais para produção de música eletrônica, com detalhes, vídeos e links para compra. 

Para instalá-los é necessário que seu DAW (software de produção) aceite plugins VST. É o caso do Ableton Live, Logic Pro, FL Studio e Pro Tools. Divirtam-se!

Mais usados

Claro que varia muito o que é considerado um synth popular, já que alguns são usados mais para um tipo de música ou instrumento, mas aqui estão separados alguns sintetizadores que devido à qualidade do som e a versatilidade dos presets, é possível fazer músicas inteiras com eles.

Predator – Rob Papen

Rob Papen produz alguns dos plugins mais usados na música.

Trata-se de um synth completo, com 3 osciladores (cada um com 128 formas de ondas), 2 filtros “multi bandas”, 2 envelopes ADSR, 2 LFOs, Arpeggiator e mais de 20 efeitos de muita qualidade (até 3 simultâneos). Seus inúmeros presets, divididos por estilo musical, facilitam bastante o trabalho na hora de produzir, pois cada som parece inspirar uma música.

O lado ruim é que esses sons já foram tão usados que fazer uso de um preset sem nenhuma modificação vai acabar com a originalidade da sua música.

O preço desse synth é de 179 dólares. Clique aqui para acessar o site do fabricante para comprar, conferir mais informações, ou baixar a versão demo gratuita, que expira em 30 dias.

Sylenth1 – Lennar Digital

O Sylenth é talvez o sintetizador mais utilizado para produção de música eletrônica. Alguns presets soam muito próximo de sons analógicos e não é difícil reconhecer uma música já lançada a cada preset escutado no instrumento.

Ele conta com 4 Osciladores (4 formas de ondas cada), 2 filtros “multi bandas” (e 1 filtro geral), 1 envelope ADSR geral, 2 envelopes ADSR de modulação e 2 LFOs. Um dos pontos altos desse synth é a seção de efeitos, com 8 de efeitos de muita qualidade, como Arpeggiator, Phaser, Reverb e Delay.

Outro ponto positivo é que, apesar da qualidade, o synth não exige tanto da sua máquina. Pode-se dizer que com apenas o Sylenth1 o produtor já faz a festa, literalmente.

O site da Lennar Digital traz mais informações, músicas feitas por usuários, presets, link para baixar a versão demo e também para comprar a versão completa, por 139 Euros.

Baixos

Subboombass – Rob Papen

Mais um do Rob Papen. É um synth essencial para criar baixos “gordos”, grooveados e com cara de analógico.

Ele vem com 2 osciladores (com formas de onda analógicas e percussivas – tuned percussion), 1 filtro “multi bandas” com envelope ADSR, LFO e outros parâmetros, uma seção amplificação, uma seção de efeitos (muito boa), 1 envelope ADSR, 1 LFO, 4 opções de modulação livre e ainda um sequenciador.

O Play Mode permite diversos ajustes específicos de afinação, sincronia, decay, etc, e os inúmeros presets facilitam o trabalho de criação. Para produtores de Hip-Hop, Dubstep, DnB e outros sons que valorizam muito as frequências graves, é indispensável.

O vídeo abaixo não é muito divertido, mas mostra em detalhes o funcionamento do synth.

Clique aqui para acessar o site do produto, com mais informações e links para a versão demo, que inspira em 30 dias e a versão completa, que sai por 119 dólares.

Massive – Native Instruments

Esse synth tem ficado cada vez mais popular, uma vez que boa parte das produções de Dubstep, Electro e até música Pop têm no Massive a fonte das linhas de baixo. Podemos dizer que ele é ao mesmo tempo complexo e intuitivo, uma vez que tem muitos recursos, divisões e abas, mas também facilita as coisas com a opção de arrastar parâmetros.

São cerca de 1300 presets e é possível ir criando o som a partir de características, como Baixo -> Analógico -> Metálico e assim por diante. Os sons bem variados e de ótima qualidade.  O vídeo abaixo é a primeira parte de um tutorial que ensina a criar linhas de baixo que parecem ter voz, como as utilizadas nos sons do Skrillex. Curtiu? Dê uma olhada no site da Native pra saber mais e baixá-lo.

Trillian – Spectrasonics

Sucessor de um dos melhores instrumentos virtuais para baixo – Trilogy – o Trillian tem uma biblioteca de 34Gb de samples. Todos os presets impressionam pela qualidade, fazendo do Trillian a melhor opção na busca por sons fiéis a baixos elétricos e acústicos, sem contar os sintéticos, também de tirar o chapéu.

As possibilidades de edição e modulação sonoras são muitas. O synth abre até 8 presets simultaneamente, tem 2 Filtros com diversos parâmetros de ajuste, 4 envelopes ADSR (1 para LFO e 2 para modulação), 6 LFOs, trabalha com síntese FM…

A seção de efeitos é em forma de rack e traz diversos efeitos vintage e presets completos do rack. A qualidade dos efeitos se assemelha às melhores unidades de efeitos analógicas, sem exageros. E para completar o pacote o synth ainda conta com um arpeggiator dos mais completos, repleto de modos e grooves.

Enfim, se você procura simular baixos reais em suas músicas ou trabalhar com baixos de sons sintéticos da melhor qualidade possível, para qualquer estilo, esse é o seu plugin.

O lado negativo dele é que é preciso um bom HD e a memória RAM recomendável é a partir de 4Gb, senão é capaz do seu software interromper o projeto a todo instante.

No site da Spectrasonics há mais informações, áudio e vídeo sobre o Trillian, que precisa ser comprado através de um representante no Brasil. O preço no site é de 299 dólares.

Bateria, Percussão e Samplers

Acredito que a maioria dos produtores utilizam os samplers dos próprios DAWs para montar a parte de bateria e percussão das músicas. No entanto, alguns plugins podem facilitar o seu jeito de trabalhar ou acrescentar novas possibilidades.

Battery 3 – Native Instruments

O Battery é um dos samplers do mercado. Ele vem com mais de 12Gb de samples e kits de bateria, todos de qualidade profissional. Esses samples podem ser utilizados para produção de qualquer estilo de música eletrônica, do house ao jazz.

O Battery trabalha com diversos formatos de áudio e aceita também todos os tipos de formatos de samples, como Apple Loops, REX, EXS, etc…

Ele trabalha com cédulas, formando colunas, similar a um excel. Os samples são adicionados a cada uma das células, que podem ser editadas individualmente. Envelope ADSR, stretch, reverse, afinação e sampling são feitas dentro das celas.

Há também diversas outras seções, como o criador de loops, velocity, modulação, efeitos e Master. Procurando no Youtube encontrei diversos vídeos tutoriais sobre o Battery, o que facilita a aprender cada recurso do sampler.

Mais informações e a versão completa do Battery 3 pode ser baixada no site da Native Instruments, por 199 dólares.

Nerve – Xfer Records

Mistura de sampler e sequenciador Hi Tech, o nerve permite configurações minuciosas de cada samples e de cada step do sequenciador, como cutoff, velocity, ressonância, pitch e gate. Ele traz um banco de samples, presets e sequências prontas bem interessante, misturando timbres clássicos e outros bem diferentes.

Bom para criar sequêcias de qualquer estilo de som. O vídeo mostra bem como funciona e quais os recursos.

No site da Xfer Records rola baixar uma versão demo pra você ver se realmente vale a pena gastar 199 dólares.

Micro Tonic – SonicCharge

Muito usado em percussões, swings e também para fazer aquele prato que vai abrindo até virar um ruído contínuo.

Seu funcionamento é simples: Há um oscilador com 3 formas de ondas e um oscilador que produz ruído, podendo ser feita a mixagem entre os dois. Com o primeiro oscilador é possível criar percussões, baixos, melodias… E com o segundo é possível criar caixas, pratos e noises. O resultado depende da edição de cada parâmetro (attack, decay, formas de onda, filtros).

Os sons são feitos em 8 células diferentes, que podem conter presets ou sons criados manualmente. O Microtonic tem também um sequenciador, que suporta até 12 sequências de som diferentes. O vídeo abaixo demonstra melhor o funcionamento do plugin.

O site da Sonic Charge traz mais sons do Micro Tonic, uma versão demo que funciona em modo completo por três semanas e a versão completa para comprar, por 99 dólares.

Addictive Drums – XLN Audio

Para quem sempre quis criar baterias que pareçam reais. O Addictive Drums é usado pelos maiores produtores da música pop, para criar baterias que você jura que foram tocadas, mas na verdade são programadas.

O plugin está dividido em 4 partes: Kit (onde visualizamos toda a bateria), Edit (onde podemos editar cada parte da bateria, como compressão dos pratos ou equalização da caixa), FX (onde é possível adicionar reverbs que simulam ambientes reais com muita qualidade) e Beats (onde há diversas “batidas” de diferentes estilos, que podem ser importadas como MIDI).

Além dos mais de 3000 arquivos MIDI e 100 presets de baterias diferentes, é possível comprar kits de estilos específicos, como Jazz, Funk, Retrô, Metal, etc.

É uma boa você ter uma controladora MIDI para poder tocar a bateria de fato.

O site da XLN Audio traz uma versão Demo limitada e a versão completa por 249 dólares.

Simuladores 

Instrumentos virtuais simulando instrumentos reais.

SL String Section – Cakewalk

Simulador de violino, cello e baixo acústico, cada um é ativado de acordo com a oitava tocada. Os parâmetros disponíveis são attack, release, chorus e reverb, além de afinação e tonalidade.

O plugin traz também algumas sequeências musicais em MIDI, que podem ser importadas para o seu software e utilizadas em outros plugins.

O String Section faz parte do pacote Studio Instruments, da Cakewalk, que pode ser baixado por 50 dólares aqui.

Slayer 2 – reFX

Simples, com bons presets e som de qualidade, esta é uma das melhores maneiras de simular uma guitarra.

É possível escolher o número de captadores, o local da palhetada, tipos de corda usada e ajustar a distorção e equalização do amplificador. Também dá para ajustar adicionar pedais de efeitos, que têm boa qualidade.

Após tocar uma nota, o instrumento simula o efeito de microfonia e usando o Pitch Bend dá a impressão da mão escorregando pelo braço da guitarra. Outra coisa interessante são os modos, pode-se tocar Powerchords, Arpeggio, Solos, entre outros.

O site da reFX traz mais sons de demonstração e link para a compra do instrumento, por 80 dólares.

Akoustik Piano – Native Instruments

Há muitos instrumentos virtuais que simulam pianos. Escolhi este porque é o que eu mais gosto.

O Akustik Piano faz parte dos Komplete Elements 8, conjunto de instrumentos e sons de alta performance da marca. Para tocá-lo é necessário ter uma versão do Kontakt Player 4 instalada no seu computador, que pode ser baixada gratuitamente no site da NI.

São 4 tipos de piano, com diversos presets cada,  que podem ser tocados em 4 lugares diferentes, que definem o nível de reverberação. Dá para controlar algumas coisas como a cauda abaixada ou levantada, vários tipos de afinação das cordas, equalização e pedais de efeito.

O carinha do vídeo abaixo fala muito, então se quiser pode adiantar para os 2:00 minutos.

O Akustik Piano pode ser adquirido através dos Komplete Elements 8 ou individualmente, por 189 dólares.

Brass 2 – Arturia

Uma das coisas mais difíceis é encontrar bons instrumentos virtuais que simulem metais. O Brass 2 é, na minha opinião, um dos melhores.

Ele trabalha com samples e bibliotecas de loops de saxofones, trompetes e trombones. Dá para mudar o tipo de material de cada instrumentos e ajustar parâmetros como envelope e reverb,

É possível tocar até 4 instrumentos simultaneamente, que podem ser posicionados da forma que você quiser na sala virtual. E a parte de riffs possibilita trabalhar com frases já criadas, que podem ser modificadas a seu gosto.

O site da Arturia traz mais informações, versão demo e versão original, que sai por 229 Euros.

Miroslav Philharmonik – IK Multimedia

O controle de uma orquestra em suas mãos. É o tipo de plugin ideal para criar trilhas sonoras, mas também pode ser usado em músicas eletrônicas, porque não?

O Miroslav Philharmonic traz mais de 4200 instrumentos típicos de uma orquestra e 72 efeitos. Pode-se escolher presets definidos ou escolher cada instrumento a ser usado na orquestra..

Filtro, 2 Envelopes, 2 LFOs, EQ e parâmetros mais básicos, como afinação e pan, fazem perte do pacote. O plugin pode ser usado também como software, sem a necessidade de um DAW.

Há duas versões do Philharmonic disponíveis no site da IK Multimedia, uma com 7 Gb (Full) e outra com 1.5 Gb de samples (Classik).

Efeitos e atmosferas

Absynth 4 – Native Instruments

Difícil achar um sintetizador com tantos recursos e possibilidade de construção sonora. Aqui é possível esculpir o som em seus menores detalhes. Nos presets você vai encontrar timbres obscuros, densos, sons que se modificam com o tempo, grooves e muita coisa estranha.

Ideal para fazer um Techno, Ambient ou um som experimental. Se quiser criar seus próprios sons ou modificar os presets é bom ter paciência, porque as possibilidades são infinitas…

Clique para acessar o site da Native e baixar o synth!

Você também vai gostar de… 

A quantidade de plugins disponíveis no mercado é quase infinita, então porque não vermos mais alguns muito interessantes?

Unique – Sugar Bytes 

Synth que parece ter sido feito pelo Daft Punk, ideal para produzir Disco, Electro, Pop…

Tem 2 osciladores (6 formas de onda cada), 2 unidades de efeitos, LFO, 2 Envelopes, 4 sequenciadores e um tipo de filtro que funciona com vogais, Vowel Mode. Vale a pena conferir!

O site da Sonic Charge tem mais vídeos, áudios, versão demo pra baixar e versão completa por 149 dólares.

Ace – U-he

Ace quer dizer Any Cable Anywhere, o que significa que este plugin trabalha de modo semelhante ao sofware Reason.

Ele tem 2 Osciladores, 2 Filtros, 2 Envelopes ADSR e uma unidade de efeitos muito boa. Existe um Mapping Generator que dá continuidade aos sons, permitindo a criação de sequências e alternância no modo como as notas soam. Só vendo para entender.

O destaque principal fica para a qualidade dos presets e a textura dos sons, realmente incríveis. É um dos meus synths preferidos. Na música abaixo eu fiz toda a parte melódica utilizando o Ace.

Snow by delucca

O único problema desse synth é que no próprio site da fabricante diz que está será uma boa oportunidade para você conhecer a função “freeze” do seu software, pois ele requer bastante memória. No vídeo abaixo dá pra ouvir alguns dos presets.

Você pode baixar a versão demo no site e se gostar, fazer o registro e obter a versão completa por 69 Euros. Eu acho que vale muito a pena.

Nexus 2 – reFX

Instrumento virtual muito usado por produtores de trance, mas que pode servir para qualquer tipo de música eletrônica, pois é extremamente completo. Ele também tem uma versão física, muito mais cara.

O Nexus 2 conta com uma biblioteca de mais de 6 Gb e cerca de mil presets. Ele tem bons delays e reverbs, arpeggio e trancegate (um gate) com presets. A parte de efeitos e modulação também é bem interessante.

Dá pra comprar expansões de presets no site da reFX, que tem uma coleção de sons legais e que você já deve ter ouvido em muita música por aí.

 No site da reFX pode ser baixado o Nexus, por 299 dólares.

……………………………………………..  

Por enquanto é só! Vamos manter este post sempre atualizado com novas dicas de instrumentos virtuais e gostaríamos da participação de todos com comentários e sugestões. Quais são seus plugins favoritos? Deixe dicas e podemos colocar sua sugestão aqui no blog, neste post.


Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


Sobre o autor

Professor do curso de produção musical com Logic Pro. Coordenador de cursos e conteúdo da Ban.



Voltar ao topo ↑

Google+