HomeReviewsVirtualDJ 7: Muito mais do que você imagina!

VirtualDJ 7: Muito mais do que você imagina!

Tão popular entre amadores quanto rejeitado por profissionais, o VirtualDJ é a principal porta de entrada na discotecagem para muitos DJs. Foi a minha, por exemplo.

Conheci o programa há seis anos e foi ali que comecei a entender o que fazia um dj, o que era mixar uma música, o que era um sample, efeitos, etc. Posso dizer que foi meu primeiro passo.

Desde então não utilizei mais o software, mas quando me deparei com a nova versão percebi que estava tudo igual, com a mesma cara, porém seguindo as novas tendências tecnológicas apresentadas em outros softwares.

Um pouco sobre o VDJ

A interface simples, facilidade na escolha das músicas, sincronização visual, efeitos e samples “na mão” fazem do VirtualDJ a melhor opção para quem quer ingressar no mundo dos DJs.

Para adicionar uma música ao Deck, basta arrastá-la para os discos. Para sincronizá-la com outra musica basta acionar a tecla Sync. Você também pode fazer Loops à partir de um ponto de início e outro de final ou utilizar os compassos pré-definidos.

Efeitos e samples estão no deck, você pode escolher um para cada deck e alterá-lo a hora que quiser ou pode acessar a interface própria, uma de efeitos e outra de samples, para definir parâmetros mais específicos ou para ter maior quantidade à disposição.  Também é possível gravar seu set de forma rápida.

É possível também marcar pontos da música com Cue, alterar o Bpm, visualizar o Bpm exato, utilizar o mixer de 3 bandas, simular scratchs, sincronizar vídeos… E isso é só uma introdução, tem muito mais!

O que há de novo?

Como eu não usei as últimas versões, pesquisei na internet em sites de reviews (que deram bastante importância para a atualização) e no site do fabricante quais as novidades da versão 7, além de ter testado pessoalmente. Então ai vai:

–       Jeff Mills: É Possível trabalhar com até 99 decks diferentes. Claro, você provavelmente não vai usar, mas é possível criar um remix com vários loops de várias músicas em minutos e exercer sua criatividade de forma intuitiva.

–       Rewire: O protocolo Rewire também faz parte do update, o que quer dizer que você pode controlar o Ableton Live e o Reason, por exemplo, através dos decks do VDJ.

–       Line-in Inputs: Se você  quiser trabalhar com áudio de hardwares ou instrumentos também é Possível com o VDJ 7, basta ligá-lo na placa de som e adicioná-lo a um deck.

–       Precisão e qualidade: A simulação de scratchs é boa (melhor que de vários CDJs) e a ferramenta Master Tempo funciona muito bem quando se altera o Bpm consideravelmente.

–       Organização: Você pode criar pastas, sub-pastas, favoritos, enfim, é possível alterar pastas de seu HD de dentro do próprio software, basta clicar com o botão direito do mouse.

–       Controladores Midi: Além de termos controladores desenvolvidos exclusivamente para o VDJ, como é o caso dos tudo-em-um da Numark (no post, o Mixtrack Pro e o iDJ3), podemos utilizar mais de 80 controladores pré mapeados para o VDJ. Todos os principais controladores do mercado, se não mapeados, podem ter seu mapeamento feito de forma individual, mas você vai ter que achar um bem obscuro para precisar fazer isso…

Dica: todas as configurações podem ser feitas através do botão Config, no canto superior direito do software.

Legal! Onde eu acho?

Você pode comprá-lo no site oficial ou fazer um download gratuito, mas tem algumas limitações, como não poder usar controladores midi. O software é para Mac e PC.

Para finalizar, um post nosso sobre o VDJ 5 feito em 2007, um vídeo bacana e uma consideração final: Nós não trabalhamos com o VDJ aqui na DJBan e fazemos os posts para propagar informação de qualidade. Confira nossos cursos e nossa loja virtual.

Já que você chegou até aqui, espero que tenha gostado do mini-review e sugiro que pesquise em nosso site outros softwares, controladores e informações sobre o universo dos DJs e da produção musical, há muita informação.

Facebook Comments

Por:

A DJ Ban é uma empresa fundada em 2001 e sediada em São Paulo. Entre as áreas de atuação estão cursos, loja, TV, estúdios para treino e gravação de sets, palestras, locação de equipamentos, eventos, e outras atividades ligadas a música eletrônica.

  • mano o virtuaal dj é bom pra karamba.
    bom comecei tocar tem poucas semanas
    e eu uso o virtual dj e uso com muito orgulho u qui faz a galera dançar
    num é equipamento e sim boas musicas tenho uma raiva desses manés que
    tem preconceito com o virtual dj. po cada um toco com que tem.
    eu comesei a tocar a pouco tempo ninguem nunca criticou ( virtual dj) pq o impportante é tocar
    musicas boas

  • meus nao tenho nada contra o VDJ porem voces falam mal porque tem poucos recursos uma das vantagens do virtual dj e que voce pode adicionar os seus proprios efeitos

  • Serei sucinto.
    Eu toco a 3 anos, toco Fullon Groove, Prog, Acid Techno, HardTechno.

    Conheço o Torq, conheço o Traktor, Serato, VirtualDJ e afins.

    O Traktor e o Torq realmente oferecem mais recursos que o VirtualDJ. No entanto, tem muito mané nessa pagina que está falando mal do virtual dj, alegando que o Traktor é muito melhor, que o Traktor oferece mais recursos e tal… A grande questão é : “vc realmente usa estes recursos todos?”
    Eu por exemplo, uso uma simplória BCD3000 + Máquina Efeito Korg KaossPad3 + Virtual DJ. Toco todo fds em festas. E sabe o que acontece na pista? A galera pira, dança, dança, dança, até ficar com câimbras. E sabe o motivo? O Som que tá saindo na Caixa, E NÃO O EQUIPAMENTO que estou usando.
    A galera que tá na pista, nem faz ideia do que é Trakot, Ableton, virtual DJ, Real Dj, A PQP DJ, etc.. Enfim, o que importa é o que chega no ouvido do público. Tem gente ae que tá falando um monte de besteiras sobre o virtual dj e é certeza que muitos destes apenas dão “play” no mixer e não fazem ideia do que é misturar duas musicas e tocar com um DJ de verdade. Na boa, DJ só pra apertar “play” não precisa de DJ. Faz assim: Deixa um set rolando e já era. Desculpa ae qualquer coisa. Mas fico indignado quando leio bobagem de desorientados.

  • Qual a melhor resolução para o VirtualDJ7? Cumps!

  • POST ANIMAL!!!!

  • Pois é Delucca Inclusive ja tenho o VDJ 7 no meu Notebook dentre outros Softwares d Mix Profissional.. C no Caso o Eq. Fisico der Problema, uso Eles sem Problema Nenhum !!! Parabens pelo Post Kra.. Ah e o meu é ” Tulio ” e ñ Julio.. rsrsrsrsrs

    Abrços a Toda essa Galera !!!

  • Sabe o q Acontece… Muitos Ñ Usam os mais Variados Recursos do VDJ, apenas Bricam, e mal Sabem q esses Recursos qndo bem Utilizados põe DIVERSOS CDJ’s no “Bolso”… o Unico Problema q um Profissional Encontra Nele é o Mal Costume d Mixar por Video e Ñ d Ouvido Como em qualquer CDJ… Quer um Bom Exemplo Disso… é qndo ñ c tem Caixa d Retorno, o VDJ vai quebrar um Galho e Tanto !!!
    Portanto quem Faz a Diferença é o DJ.. Na Maneiira como Manuseia o Equipamento e na Forma q Utiliza seus Recursos !!!

    • Falou tudo Tulio!
      A ferramenta para discotecar ou produzir importa muito menos que o ser humano por trás dela. O DJ Rafael, massacrador das mixagens, por exemplo, fará bom uso do VirtualDJ!
      Aliás temos um post que fala exatamente sobre isso http://migre.me/1RC5a.
      Um abraço a todos!

  • esse virtual dj 7.0 eo bixo eu vo endoida com esse progama vou fase muinta onda a pista vai pega fogo nas festa de aparelhagens de belém do para esse progama ta en todos os notebooks dos djs das aparelhagen virtual dj e muinto otimo facilita muinto a vida de um dj e so festa agito muinta onda abraços para vçs da dj ban eu quero colheçe a a dj ban by – Dj Rafael o Massacrador das Mixagens de Belém do Pará. abraços

  • Seus post são sempre muito bons, guri! Tu escreves muito bem e sempre aborda assuntos tri! Quando me mudar para são Paulo vou procurar a Djban certamente,.abcs

    • Obrigado pelo elogio. Quando vier para São Paulo teremos prazer em te atender, seja em cursos, loja ou o que você precisar. Um abraço!

  • Pô, compara o Virtual Dj vom o traktor é brincadeira né? Aliás, na página indicada pelo blog foi feita essa comparação na versão 5 do Virtual. Nada a ver…
    Alguém conhece um top DJ, digo um apenas, que use Virtual DJ??? Claro que não, porém é o software mais usado em festinhas, quartos e afins. Eu gosto de mixar com vinyl, de fazer live com o Ableton, produzir com o Logic e brincar com o Virtual DJ, lógico. Se você quiser “usar o cérebro” vá produzir em pure data ou discotecar com vinyl, mas o Virtual é comparável ao Paintbrush, Movie Maker, softwares para você brincar de fazer alguma coisa e não para ser profissional.
    O traktor é hoje o melhor software para tocar, mas você não acha uma versão completa para baixar no site deles e também é bem mais complexo (e completo) que o virtual.
    Eu testei a versão 7 e achei ótima, muito estável e mantendo exatamente a mesma interface que as versões anteriores. Nunca compraria, mas quem comprou anteriormente pode baixá-lo de graça, o que é também um diferencial. E eu usei em um netbook positivo, que não aguenta nem rodar fruity loops ou o live e rodou numa boa, sem travar e com 4 decks (não testei mais do que isso).
    Recomendo qualquer aspirante a dj a baixá-lo no site!

  • Concordo com tudo que o Leonel Fraga disse, com certeza! Justamente por isso, o meu não entendimento sobre o por que da Atomix inserir o termo “Pro” no software.

    Sugiro à Atomix, que eles façam uma parceria com alguma empresa de sacos de carvão, pois assim, quem comprasse um saco de carvão para churrasquinhos caseiros, ganharia uma versão completa do Virtual DJ 7 por um acrésimo de R$1,20!

    Fala sério, nem grid o programa tem!

  • Antes de comentar sobre o VDJ em si, algumas considerações:

    Bem, posso dizer que faço parte da categoria dos “PC-DJs”, o que na minha opinião não é demérito nenhum. Claro que quando comecei a me interessar por DJing (há uns 2 anos atrás, mais ou menos) e fiz sim muita “fanfarronice”.
    O software facilita as coisas? Claro que sim. Para mim o que importa é a pista bombando, o público não se liga no setup que o DJ está utilizando. Claro que eu como DJ (pra deixar claro: não sou profissional, apenas amador :) ) me interesso por essas coisas e vou para as baladas com “outros ouvidos”. :)

    [puxação de saco on]
    Depois de fazer o curso na DJ Ban, com os equipamentos “físicos” (MK II, CDJ-2000, entre outros equipos) que aprendi a utilizar melhor esses softwares, seja o VDJ, o Traktor, e qualquer outro. O que importa aí é o conceito base que aprendi. Sem esse conceito, não há software que faça o trabalho por vc ;)
    O curso não focou em softwares e sim em técnicas de mixagem. Não aprendi a utilizar o VDJ, o Traktor, o Torq ou outro soft no curso, e sim aprendi a mixar. Com isso vc usa qualquer software ou equipamento.
    [puxação de saco off]

    Agora entrando no assunto do post:

    Testei o VDJ 7 com uma controladora BCD 3000 e tocando com a placa de som da mesma ligada em modo ASIO, com o último driver da Behringer (o compatível com 64 bits). Testei no Windows 7 x64.

    Minha opinião é que melhorou sim em relação à versão 6.1 que utilizava anteriormente, principalmente a qualidade de som e o Master Tempo.

    Quanto ao quesito usabilidade que o camarada Rafael citou acima: A resolução vai depender da skin que vc usa. No netbook eu uso uma, no notebook outra e no desktop mais uma. E todas se adaptam perfeitamente à minha tela quando maximizada. Eu uso uma variação da skin padrão adaptada para razão aspecto widescreen (16:9 ou 16:10).
    Como eu uso uma controladora MIDI, as únicas coisas que faço em tela são arrastar as músicas para os decks e via ou outra selecionar um efeito. Os demais comandos eu uso na controladora mesmo.

    Também digo que o programa ficou mais estável. Em várias horas tocando direto (3 horas para ser mais exato) não travou o som nenhuma vez. Talvez isso também tenha sido pela Behringer ter lançado um driver estável (finalmente!). Ainda vou testar no notebook.

    Ainda assim, no quesito qualidade de som prefiro o Traktor: ele é muito mais suave nas viradas, na equalização e o ajuste de pitch é mais preciso, além dele ter mais opções de cue-points, efeitos (principalmente mesclar efeitos), etc.

    Então, ponderando esses quesitos, o VDJ 7 atende perfeitamente ao amador. Serve para tocar em uma “baladinha”? Claro que sim, também vai atender muito bem.
    Para os profissionais, quem quer fazer performance, entre outros o Traktor com certeza é a melhor opção.

    Um abraço à todos!

  • Pelo que eu sempre li o virtualdj não é um software profissional, apesar do nome “pro”.
    só que eu sempre usei e continuo usando pra fazer festinhas em casa, tem várias funções legais pra usar e que são divertidas pra AMADORES. não quero ser dj profissional, nem tenho tempo pra isso e o virtual dj permite bastante interação mesmo com quem nunca usou um programa de dj…
    gostei bastante do virtual 7 e vi que já tem vários vídeos no youtube da versão que era beta, dá pra aprender bastante e quase tudo em poucos minutos…
    quanto a midi nem posso falar nda pq nunca usei, mas pro q eu uso gosto bastante!

  • A Atomix está se firmando cada vez mais no seu lugar de quinta categoria em softwares de Djing e parece realmente que é este o objetivo deles. Mas isso é perfeitamente compreensível, pois é extremamente difícilo, alcançar os pés do Traktor.

    Como designer, posso afirmar que a usabilidade da interface continua ruim, principalmente na visualização de quatro decks, onde só são exibidos três cue points (Absurdo!). Estimular os usuários a sincronizarem a faixa visualmente é como a Rede Globo estimula à assistirem suas novelas, ou seja, a não utilizarem o cérebro! Sincronismo de músicas deve ser por ouvido, caso o comando SYNC não funcione perfeitamente. Outro ponto fundamental que a Atomix nunca se preocupou é com a liquidez da interface, pois eles “trancam” a resolução ao invés de torná-la adaptável a qualquer resolução e monitores, primário isso!

    Pra finalizar, eles acharam que melhroram o sistema de mapeamento? É… Criaram um script e dificultaram mais ainda a vida de quem deseja criar seu próprio mapa MIDI para atender as necessidades individuais de cada um, ou seja, afastaram mais ainda os novos e e possíveis antigos usuários.

    Eles deveriam mudar de “Virtual DJ Pro”, onde “Pro” remete à “Professional”, para “Virtual DJ beg”, onde “Beg” significaria “beginner”.