Contatos: (11) 3142-9676 / 3257-8717 / WhatsApp: (11) 97485-5700 - Seg. à Sex. das 09h00 às 22h00 e Sáb. das 09h00 às 18h00.


Idéia pela inclusão social – parte 03

Michael Jefferson Oliveira Brito 

Como promover a inclusão social através da música eletrônica?

Parcerias com profissionais, e empresas voltadas a musica eletrônica

Contato , e possível parceria com o poder publico, prefeituras secretarias, etc.

Palestras, cursos, workshops, eventos,promoções

Introdução de jovens no mercado da musica eletrônica

Maior divulgação e esclarecimentos sobre a musica eletrônica

Visitas a comunidades de baixa renda

Concursos com o intuito de encontrar novos talentos

Ações de solidariedade e responsabilidade social

Como conseguir parceiros e incentivadores?

A dj Ban é muito influente no mercado da musica eletrônica, portanto, o pontapé inicial devera ser dela, pois a mesma ja tem suas parceirias e contatos comerciais,o que irá mudar é o foco dessas parcerias, pois sera voltada para o lado social,atravez dai o projeto começara a andar 

Através de projetos de incentivo fiscal e tributario, Um exemplo seria lei n° 8.313/1991 (Lei Rouanet) que é uma forma de estimular o apoio da iniciativa privada ao setor cultural,entre outros

O que leva o dj, produtor,Radios, empresas, e outros ligados ao mercado da musica eletrônica a patrocinar, ou contribuir com nosso projeto?

Uma maior divulgação de seu nome, de sua marca, de seu trabalho, de seus produtos e serviços,atravez dos diversos meios de comunicação disponiveis,redes sociais, o proprio blog/site dj ban, e outros sites e blogs dos parceiros ,radios,banners, espaços em flyers,sua marca ou nome tera um maior reconhecimento, por estar contribuindo com o social,investimento em futuros consumidores de seus produtos, serviços e etc.e acima de tudo o sentimento de contribuir para um brasil melhor, e para uma maior divulgação da cena da musica eletrônica! Se beneficiará  tambem de incentivos fiscais e tributarios. 

O que sera feito para promover a inclusão?

Divulgação nos meios de comunicação disponiveis

De inicio organizar um grande evento, voltado a solidariedade, atravez de nossos parceiro, como por exemplo, a renda ser revertida para projetos sociais,com isto vamos aproximar os “Excluidos socialmente”a comecarem a dar os primeiros passos , para mudar o olhar sobre a e-music.e adquirir mais confiança sobre a cena 

 Promover concursos como esses da dj ban por exemplo,com o intuito de encontrar talentos ,que estao no anonimato, e que não tem a oportunidade de demonstrar suas habilidades,dar oportunidade para pessoas que curtem a cena e ou se interessam pela e-music,com a difusão da internet,é facil buscar novos talentos,não só pela internet , mas tambem em visitas a comunidades escolas, e centros comunitarios, investir neles,como futuros djs,produtores, mc’s, vjs,dancers,pirofágos,artistas digitais,ou mesmo aquele jovem que é super comunicativo, e possa ser um futuro locutor, aqueles que se interessam pela sistematica de som podem ser futuros tecnicos de som, são diversas areas de atuação, que atravez dos nossos parceiros, podem ser introduzidos no mercado da e-music

Essa introdução sera feita atravéz da a Lei do Aprendiz – 10.097 de 2000, com regulamentação em 2005 – que facilita a inserção do jovem no mercado de trabalho e é um incentivo para a qualificação profissional do menor.

A contratação de aprendizes deve ser vista com atenção pelas empresas, pois essa prática pode ser um caminho eficiente para elas cumprirem suas políticas de responsabilidade social

Essa atitude faz com que as empresas contribuam efetivamente com a redução dos problemas que afetam a juventude brasileira, como a violência, a evasão escolar, a baixa qualificação para o trabalho e o desemprego

O governo dá incentivos para empresas que cotratam o menor aprendiz e reduz o recolhimento do FGTS em relação aos outros funcionários.

Organização de cursos de djs, vdj, e outras areas profissionalizantes da e-music, realizados atraves de recursos proprios e de parcerias com os grandes djs, clubs, e outros, que forem incentivadores, tambem palestras,sobre a cultura da e-music, pois para muitos, ela ainda é desconhecida, ou vista com outros olhos

Criar um canal para q pessoas opinem , com tópicos, por exemplo,”qual comunidade devemos visitar, a x, a y ou a z”com isso interagimos ainda mais com as pessoas, e outros tópicos a serem elaborados 

Quem será beneficiado, pelo projeto?

Jovens e adultos denominados “excluidos socialmente”que gostem ou se identificam,com a e-music, e que podem ser remanejados nas mais diversas areas do mercado da e-music,com essa profissionalizalção,os mesmos começam a gerar renda na familia, e assim , incentivará a outros jovens a tambem se interessarem pela musica, isto é influência positiva, tambem serão beneficiados, pelas palestras, cursos, workshops, e demais eventos culturais, musicais

A inicitiva privada ganha, por estar contribuindo para a inclusão social,pela divulgação e imagem de empresa q contribui com o social,e tambem ganha em lucratividade, pois contribuindo, estará fazendo um investimento, com isso a musica eletrônica ganha ,a tendencia e ter mais eventos, mais profissionais, mais pessoas aderindo a cultura e-music, portanto mais consumo dos mais diversos itens e serviços

A cultura da musica eletrônica, pois será mais divulgada e aberta para todos, acabando com a má impressão que causa em algumas pessoas, como se estivesse ligada a drogas, e demais preconceitos ligados a ela 

Quando sera executado o projeto?

A partir do momento que esta idéia for discutida,agregadas mais observações,para a total viabilização do mesmo

Quando os acordos com parceiros e incentivadores forem firmados, poderemos colocar em pratica as ideias uma a uma

Minhas considerações e agradecimentos

Agradeço a todos da equipe dj ban, jurados e a todos que lutam,pela cena eletrônica.

Peço desculpas se houverem erros gramaticais, tentei ser o mais perfeito neste quesito

Tambem peço desculpas se prolonguei demais alguns temas, pois tentei ser o mais claro possível.

Minha idéia consiste basicamente em oferecer novas oportunidades de trabalho pára pessoas que necessitam, pois acredito que em muitos casos não se resolve o problema social apenas uma cesta básica, acredito que nas oportunidades de profissionalização, da diversão, e da cultura,podemos contribuir para muito para sanar nossas dificuldades sociais

tentei não inventar ideias fantasiosas,mas algumas ideias demandam tempo, contatos,estudos,recursos financeiros tambem, e muita dedicação,mas tenho certeza que dedicação não vai faltar.

………………………………

Murilo F. Bispo 

Em qualquer situação, o primeiro passo depende exclusivamente da própria pessoa, isto é, para que qualquer ser humano obtenha sucesso em qualquer coisa ele precisa realmente querer, ou seja, estar motivado.

Há poucos anos, para ser DJ era necessário investir além de equipamentos em discos, afinal era possível utilizar os equipamentos de terceiros tocando em uma casa noturna ou mesmo na casa de um amigo, porém sem músicas, nada feito, motivados então para ter seus próprios equipamentos, mas também por comprar seus discos e ter no case os últimos lançamentos, muitos DJs se motivavam a trabalhar mais e mais, afinal fosse como um profissional da área ou fazendo um “bico” pintando paredes o dinheiro entrava e mais do que rapidamente virava discos e agulhas. É propicio citar este exemplo, pois muitos nomes de destaque na cena tiveram esta mesma história, vejamos o próprio Ban Schiavon, em sua entrevista ao SPTV em 2002, contou sua história e citou “muitas vezes deixava de comprar uma calça para comprar um disco” (http://youtu.be/_8ppByyoDKA).

Ele com certeza teve e tem uma história de sucesso como DJ, mas mesmo que não tivesse seguido na profissão já teria ganhado muito, pois essa paixão o motivou a trabalhar mais e crescer como pessoa para conquistar seus objetivos. Conheço muitas histórias de DJ´s uns que se já se destacaram profissionalmente outros ainda não, mas tenho certeza, todos altamente apaixonados e motivados. Fato é que essa é uma profissão que apaixona e motiva e por isso inclui.

*Inclusão social é um conjunto de meios e ações que combatem a exclusão aos benefícios da vida em sociedade, provocada pela falta de classe social, origem geográfica, educação, idade, existência de deficiência ou preconceitos raciais.                                 ( Fonte : Wikipedia )

Minha idéia é incutir a cultura da música eletrônica em uma comunidade menos favorecida, e oferecer aos jovens a oportunidade de conhecer, aprender e ensinar a profissão de DJ, produtor musical e mais que isso, estar envolvido no meio profissional, se destacar em seu meio, conhecer outros meios sociais, desenvolver sua criatividade e motivação, educação, disciplina e cidadania.

  – Despertar o interesse por uma atividade, preencher o tempo livre, motivar o jovem a trabalhar, buscar seu crescimento e maturidade, uma profissão e um futuro.

  – Criar um celeiro de novos talentos, e mostrar para o Brasil e para o mundo o poder que a música eletrônica e suas profissões podem ter na inclusão social.

 Descrevo abaixo a idéia principal e a seguir o passo a passo detalhado.

 => Aprender e amar uma profissão: Quantos são os casos de DJ´s que tiveram uma vida muito difícil, seja socialmente, economicamente ou em seu âmbito familiar e mesmo assim lutaram em busca de seguir em sua profissão tão amada? Estes por sua vez tiveram motivação e não desistiram, muitos seguiram na profissão e conseguiram sucesso como DJ´s, outros nem tanto, mas aprenderam a buscar, cresceram como pessoa, seja no conhecimento ou mesmo no esforço em trabalhar um pouco mais para comprar um disco ou um equipamento. ( Isso é incluir )

Propostas: Expor ao jovem, o que é a profissão de DJ, quais os benefícios e dificuldades, qual é o mercado, onde ele pode chegar, quais são as mentiras e quais são as verdades, Cases verdadeiros com profissionais que venceram suas dificuldades e chegaram lá. Oferecer todo o conhecimento necessário para se tornar um profissional, seja técnico como o desenvolvimento artístico e da criatividade.

COMO?

Oferecer Palestra, workshop e Curso de DJ (Itens 1, 1.1 e 2 do passo a passo, detalhado)

=> Estar realmente envolvido no meio profissional onde deseja atuar: Você pode ser um grande artista, mas para conseguir sucesso, uma das principais exigências é estar envolvido no meio, conhecer pessoas, idéias, ter informação. Imagine se todo DJ profissional tivesse a oportunidade de estar inserido em meio a lugares e pessoas importantes de sua área desde o início de sua formação? Envolver estas pessoas socialmente excluídas é aumentar seu alcance social e motivar a enxergar um futuro melhor. ( Isso é Incluir )

Propostas: Estar interessado e aprender a profissão já é o primeiro passo para que o próprio indivíduo busque sua integração, conviver com profissionais e colegas também interessados durante o curso também, freqüentar eventos importantes do meio que talvez não teriam oportunidade sozinhos complementa esta fase.

COMO? (Itens 3 e 4  do passo a passo, detalhado )

Apresentar lugares, e pessoas diferentes, apresentar e introduzir ao meio

=> Sentir-se importante em seu meio, sua comunidade, amigos e família. Mostrar para o mundo : Em qualquer meio social, destacar-se dos demais, é de grande importância. Fazer diferente, tornar-se exemplo dentre os demais e ser reconhecido. Fazer com que o indivíduo sinta-se especial em seu meio, é motivá-lo a buscar e crescer cada vez mais, muito mais que isso é motivar espontaneamente outras pessoas a se destacar também. Mostrar para o mundo, divulgar o trabalho através das mídias de comunicação (Internet) o resultado da ação e o trabalho desenvolvido por esta pessoa (Isso é incluir)

COMO? (Itens 5, 6, 7 e 8 do passo a passo, detalhado )

Festa de formatura do curso na comunidade, seguimento do projeto introduzindo os alunos formados como monitores voluntários nas próximas turmas, divulgação dos formados, divulgação dos sets do DJ na internet, Curso de noções de produção e a co-produção e lançamento da música tema da turma em conjunto com Pe& Ban.

=> A importância da educação: Um dos grandes fatores culpados pela exclusão é a educação ou a falta dela, seja em forma de falta de conhecimento, dificuldade de aprendizagem, capacidade de dialogar com diferentes pessoas ou disciplina para se comportar em diferentes situações. Estimular os jovens a não faltar na escola, ter um bom aproveitamento escolar, ler, se comportar com as pessoas a sua volta e ter disciplina profissional é o primeiro passo para vencer a exclusão social.

Para participar de todo o projeto serão observados o aproveitamento escolar, comportamento familiar e disciplina de cada beneficiado.

Introdução de uma nova cultura: é importante ressaltar que com o interesse múltiplo dos jovens da comunidades poderemos assistir a outros fenômenos como a própria multiplicação do conhecimento entre eles que poderão acabar aprendendo boas noções com seus amigos e cultivar ainda mais o movimento, outro resultado que poderemos também enxergar é que alguns poderão buscar crescimento profissional e financeiro para custear seu próprio curso e equipamentos e isto é uma vitória se levarmos em consideração o estímulo ao desenvolvimento através da motivação.

Mente ocupada: Além do tempo preenchido durante os cursos e demais atividades, a introdução e proliferação da cultura do DJ e da música eletrônica dentro da comunidade, motivarão novos passatempos, como passar à tarde de sábado ou domingo tocando entre amigos ou mesmo em festas organizadas pelos próprios, esta ocupação saudável do tempo livre pode sim evitar possíveis desvios, companhias, vícios e atividades ruins que geralmente cercam o jovem desfavorecido por falta de esperança, ocupação e motivação.

 PASSO A PASSO DETALHADO

Onde?

Apesar de imaginar que a idéia de um projeto itinerante pode gerar grandes resultados devemos inicialmente nos concentrar em uma comunidade, pois isso pode envolver de maneira mais ampla as pessoas e gerar melhores resultados, por isso optei por um local que tem carência de tal atividade e oferece a infra-estrutura necessária. De qualquer forma de acordo com a possibilidade e resultados, o projeto pode ser expandido no futuro a outros locais.

 Comunidade Vila Nova União – Atigo Pantanal – São Miguel Paulista – SP, aproximadamente 32 mil famílias.

 Localizado na altura do km 23 da Rodovia Ayrton Senna, sentido SP/Rio, com entrada pela alça de acesso da Av. Jacú Pêssego.
Acesso também pela Ciclovia do Parque Ecológico do Tietê, que segue paralela a Via Parque e Rod. Ayrton Senna, da Penha até o Parque Jacuí em São Miguel Paulista.

  O Parque Jacuí situado na antiga comunidade do Pantanal, atual Vila Nova União em São Miguel / Zona Leste, SP, foi construído para eliminar os problemas de inundações da região e oferecer atividades e lazer as mais de 32 mil famílias da comunidade, abriga um amplo espaço de 138 mil m² com toda infra-estrutura necessária tanto para eventos quanto para workshops e cursos, com diversas salas, auditório, quadras poliesportivas, pista de skate, estacionamento amplo e outros, é gerido pelo Daae ( Departamento de Águas e Energia elétrica do estado de São Paulo ) e já temos autorização para atuar e utilizar seu espaço para tal ação, já que no local sou voluntário em outro projeto de inclusão social através do futebol para as crianças da comunidade. Por já colaborar na região, também temos o apoio da comunidade e de seus líderes.

O local pode ser utilizado para o projeto de inclusão social em sua íntegra com toda infra-estrutura necessária, segurança e sem nenhum custo.

Veja o vídeo detalhado do local.

Detalhamento da ação;

1)  Conquistar  e esclarecer ( Despertar o interesse, aguçar a curiosidade, mostrar que é possível ter um futuro melhor, motivar )

– Palestra voltada aos jovens e seus pais onde DJ´s profissionais da DJ Ban e convidados voluntários, contarão sua história, falarão sobre a profissão, quem é, o que faz e onde pode chegar um DJ ? A Produção musical, outras possibilidades profissionais no meio, qual é o mercado e quais são as verdades e mentiras sobre o meio.

1.1 ) Exemplificar, conquistar ( Despertar o interesse, aguçar a curiosidade, mostrar que é possível ter um futuro melhor, visualizar a atividade em andamento .

– Workshop prático sobre a discotecagem, expor equipamentos e tecnologias, qual é a síntese do DJ, pequenos exemplos de técnicas e mixagens, música, oficina prática com os jovens.

Observações: Tanto a palestra quanto o Workshop citados acima serão realizados no mesmo dia em seqüência, para tal faremos uma pré – divulgação na comunidade através de cartazes e panfletos em conjunto com a associação de moradores local, solicitando uma inscrição adiantada ao evento de acordo com o número de lugares disponíveis no local. A Palestra e workshop serão ministrados em sala disponível no parque, caberá a DJ Ban e seus parceiros a responsabilidade para levar equipamentos necessários e os profissionais e palestrantes. Como palestrante principal sugiro o próprio DJ Ban Schiavon, por sua trajetória profissional, história de vida e postura profissional.

2) Formação técnica / Bolsas de estudo ( Ensinar uma profissão, criar motivação para buscar trabalhar honestamente, responsabilidade, igualdade de oportunidades, desenvolvimento, Inclusão)

 Seleção de um grupo para aprender em curso da DJ Ban a arte da mixagem e o ofício de DJ através de bolsas de estudo concedidas pela DJ Ban.*

Observações: * Caberá a DJ Ban e seus parceiros optar por ministrar o curso na comunidade,na própria sede da DJ Ban, ou em local mais viável.

No caso de optar por ministrar o curso in loco teremos sala disponível para tal sendo então necessário que a DJ Ban e seus parceiros providenciem os equipamentos, professores e conhecimento.

Caso seja optado por ministrar o curso na Sede da DJ Ban, caberá a DJ Ban providenciar as bolsas de estudo, isto é, utilizando sua estrutura tradicional de cursos instalações e equipamentos, em turmas especiais para o projeto ou em turmas mistas de acordo com a disponibilidade.

Para a seleção de candidatos deverão ser observados quesitos mínimos, como idade (a ser definida ), ( comprovação através de cópia do RG ), autorização dos pais ou responsáveis por escrito quando menor, Comprovação de residência na comunidade ou arredores, comprovação de matrícula escolar, assiduidade e aproveitamento escolar ( comprovação através de ofício emitido pela própria escola onde é descrito se o aluno está matriculado, freqüenta regularmente a escola e qual seu aproveitamento )

Para permanecer no curso, não poderá haver faltas injustificadas e os critérios citados acima como aproveitamento escolar e anuência dos pais deverão ser mantidos durante todo o curso.Obs : Quando citamos assiduidade e aproveitamento escolar, isso não quer dizer que ao tirar uma nota ruim o beneficiado será cortado do projeto, ele pode sim deixar de participar de um ou outro evento por isso, o que depois de uma boa conversa o estimulará a buscar sua recuperação para que não aconteça novamente.

3) Conhecer o meio, conhecer pessoas ( Socialização, experiência real, Inclusão

 Convidar os beneficiados a acompanhar DJ´s da DJ Ban ou outros voluntários em casas noturnas e eventos, para observar a rotina profissional do DJ, e conhecer novos ambientes e pessoas.

4) Conhecendo outros lados (Socialização Sentir-se útil, aprender, Inclusão)

Através da Migas Sonorização, convidar os bolsistas a acompanhar os backgrounds de eventos, montagem de equipamentos, P. As, ajudar na montagem e desmontagem de eventos.

5) Encerramento da turma de bolsistas, festa de encerramento. (Comemorar, motivar, reconhecer, tornar-se importante em seu meio)

Festa de formatura no parque onde os DJ´s formados tocarão para a comunidade, com a presença dos DJ´s da DJ ban e convidados, oficinas e outras atividades como gincanas e passeio ciclístico para os demais membros da comunidade.

Observações: A festa deverá ser realizada durante o dia em um sábado ou Domingo, caberá a DJ Ban e seus parceiros providenciar a organização e disponibilização de toda a estrutura de som e equipamentos da festa. A divulgação será prévia através de panfletos e cartazes em conjunto com a associação de moradores local, a festa será aberta ao público em geral.

6) Divulgação dos bolsistas formados

Auxiliar os formados a Incluir sets gravados nos instrumentos disponíveis na internet como Sound Cloud e You tube e assim que estiverem preparados poderão também ser convidados da DJ Ban para tocar em uma festa ou evento.

7) Ensinar a ensinar ( Desenvolver-se, tornar-se importante, socializar )

Selecionar dentre os bolsistas formados, monitores voluntários que acompanharão e ajudarão voluntariamente no desenvolvimento e aprendizagem da próxima turma, desta forma ajudarão a dar continuidade no projeto e aprenderão a repassar seu conhecimento e cativar outros jovens com o que aprenderam.

8 ) Mostrar para o mundo ( Reconhecimento, divulgação do beneficiado, divulgação do projeto e seu resultado )

Após a formatura da turma os formandos mais interessados terão acesso a um curso ou Workshop que pode ser reduzido de introdução a produção musical, a idéia é que conheçam um pouco do que é possível e como deve ser uma produção de qualidade.Após isso participarão da produção de uma música com a dupla Pe&Ban, esta música será lançada e distribuída gratuitamente pelo Beat Port e/ou outras ferramentas e será o grande marco de representação dos resultados conquistados, servirá para ajudar a divulgação dos beneficiados mas também como grande instrumento de divulgação para o mundo de como a música eletrônica está ajudando a incluir pessoas e formar novos cidadãos.

9) Reinício do ciclo para nova turma de beneficiados com palestra e workshop.

§  Custos : Conforme citado no regulamento do concurso, toda a estrutura necessária foi idealizada nos recursos já disponíveis nas empresas do grupo DJ Ban.

 Não haverá nenhum custo para os beneficiados seja nos cursos ou eventos.

Não haverá nenhum custo para a utilização do Parque Jacuí, caberão então a DJ Ban e seus parceiros arcar com os custos com equipamentos, transporte de equipamentos ao parque, professores, funcionários, apostilas e toda a estrutura do curso, custos estes que não estão mencionados aqui pois não tenho acesso.

Por ser um projeto social sem fins lucrativos,  uma sugestão é recrutar voluntários que desejem trabalhar gratuitamente no projeto em situações esporádicas como o evento de formatura por exemplo. Como autor já me coloco a inteira disposição para tal.

No caso de cursos ministrados fora da comunidade, visita a eventos e outras saídas dos beneficiados, ficará a cargo da DJ Ban e seus parceiros de acordo com a possibilidade e viabilidade financeira, prover ou não aos beneficiados os custos de condução e alimentação.Para este fim também poderemos procurar um co-patrocinador.

§  Divulgação

Inicialmente a divulgação deverá ocorrer através das redes da DJ Ban e parceiros ( Facebook, Twitter, You tube , Site e etc. ), com o andamento do projeto estaremos então conquistando a atração da mídia local dar região assim como veículos maiores que poderão ajudar na divulgação já que o projeto é pioneiro e certamente chamará atenção, até porquê a região escolhida tem estado na mira da mídia em geral devido as obras para a realização da copa do mundo de futebol.

“Mesmo que inicialmente não possamos implantar o projeto completo e  tenhamos que começar com algo mais simples, já estaremos fazendo uma grande diferença, é impossível mudar o mundo sozinho, mas uma floresta nasce a partir de uma única semente e a cada árvore crescida, milhares de novas sementes serão lançadas”

…………………………………

Nome: Kevin Wolfson

Idéia Pela Inclusão Social 

   Inclusão social é uma ação que combate a exclusão social geralmente ligada a pessoas de classe social, nível educacional, portadoras de deficiência física e mental, idosas ou minorias raciais. Com isso em mente, existem milhares de coisas que a DJBan possa fazer para beneficiar as pessoas que sofrem de exclusão social. Mas é fácil só pensar nas idéias. Difícil mesmo é achar uma idéia que não seja só viável, mas também tem potencial para expansão, uma idéia que possa crescer. 

    Por isso, queria apresentar a idéia do “Domingo dos Pequenos DJs”. Essa idéia é baseada no trabalho comunitário que se faz na minha escola, onde várias crianças de uma creche local vem para a escola por um par de horas cada semana e os alunos da minha escola lhe ensinam matemática, português, e um pouco de música também. Diziam que a arte de ser um DJ era para poucos, e só para os bons. Mas hoje em dia, todo mundo pode ser um DJ. Então porque não podemos convidar algumas crianças de uma creche local para passar algumas horas com a galera da DJBan para aprender um pouco sobre a música, o que é ser um DJ, e o mais importante, se divertir! Eu acho que se nós podermos fazer isso seria muito legal não só pra as pessoas na DJBan, mas para as crianças também porque a música é um jeito de estimular o cérebro, ajuda o desenvolvimento das crianças, e é um jeito de escapar uma realidade feia que elas podem estar vivenciando no seu dia-a-dia. Essa idéia é só o começo de um projeto com a finalidade de introduzir a musica eletrônica para o maior número possível de crianças que não tem muita chance de fazer aula na DJBan, muito menos comprar equipamentos de DJ. Isso seria muito especial para as crianças e para nós também, nós teríamos a oportunidade de mudar a vida de muitas pessoas nesse processo.

   Para que isso aconteça, estariamos criando uma parceria com uma creche local (perto da DJBan) para que possamos trazer as crianças. Meios de transporte, comida, professores disponíveis na data, etc, tudo pode ser combinado com a DJBan e seus parceiros que já existem. O custo desse projeto não deve ser muito caro, o maior gasto deve ser no transporte das crianças da creche-DJBAN e vice-versa. Divulgação pode ser feita pelo Facebook, Twitter, e através de várias redes sociais, e também pode ser contratado um fotógrafo que possa capturar os melhores momentos desse dia especial. 

Espero que vocês considerem essa idéia já que pode ser um grande successo. 

………………………………..

Fernando Henrique Bispo

Apresentação: 

Todos sabemos a importância de inclusão social no mundo em que vivemos. Sabemos também a importância que a música tem na vida dos seres humanos. A Música eletrônica tem um papel fundamental nesse processo, tendo em vista a grande influencia que este nicho da música tem com os jovens de diferentes classes sociais no planeta. Surge então a idéia de se fazer um Festival Ecológico e Sustentável a partir da iniciativa de organizadores de Projetos de música eletrônica. Faço parte de um projeto assim, entitulado Ziriguidrum. Neste caso, eu faria uma parceria com uma entidade governamental voltada a cultura. Poderia ser por exemplo a coordenação da Casa de Cultura Tendal da Lapa ou semelhante para podermos juntos promover um evento sócio cultural, afim de mostrar a população as diferentes vertentes da música eletrônica com apresentações de dj’s de vários estilos e que fosse um evento sem fins lucrativos, a fim de lutar por um mundo mais sustentável com a ajuda ao próximo. 

Para isso faria-mos uma parceria com a Subprefeitura da Lapa, a Secretaria de Participação e Parceria, por meio da Coordenadoria da Juventude, e o Projeto Ziriguidrum, assim poderia-mos realizar o evento de caráter sócio-cultural que ocorreria em uma data pré agendada na Casa de Cultura Tendal da Lapa, por exemplo. O festival teria como objetivo trazer, gratuitamente, ao público paulista o universo da música eletrônica e suas variadas vertentes contando com duas pistas externas, uma pista interna, workshops diversos com âmbito educativo mostrando ao público a importância de uma educação ambiental correta e suas conseqüências caso não seja tomada medidas preventivas de combate a enxurradas, lixo e doenças epidemiológicas. O Evento contaria ainda com um exposição de produtos artesanais relacionados ao meio ambiente, intervenções artísticas e mostra fotográfica, além de uma palestra sobre sustentabilidade ambiental. Nomes de peso do cenário da música eletrônica iria compor o line up das pistas, que se dividirá nas pistas “Respect”, representado pelos integrantes de uma Rave que tem por objetivo promover eventos com intuitos ecológicos, sendo sua decoração toda baseada em materiais reciclados e tendo parcerias e apoio de ONG´s e afins. Haverá a “Pista Ziriguidrum”, que apresentará um som com influencias de das batidas quebradas como Nu Jazz, R&B, DNB, Breakbeat e vertentes com apresentação de DJ’s e artistas conhecidos na noite.

Juntamente com o projeto haverá a parceria de um projeto realizado na Namíbia, projeto que existe e já é praticado pela própria Coordenadoria da Juventude. A Namibia, um dos países da África sofre com guerras internas e muita desiguadade social, essa parceria iria contribuir com intuito de implementar idéias de trabalho, construção de escola técnica e primária para crianças carentes além de um trabalho social neste país. Neste sentido haverá o espaço Namíbia, um espaço dedicado a contar um pouco da história desse país, de mostrar os trabalhos realizados até então e as etapas que se falta para a conclusão do mesmo. Também haverá Dj´s se apresentando e mostrando aos espectadores a cultura e os estilos das músicas africanas e seus costumes. Além de uma exposição com elementos de arte deste país. Hverá um Lounge com vertentes da House Music e afins com apresentações de Dj´s em um espaço dedicado ao relaxamento e aprecisação da boa música.

A entrada se dará através de arrecadações de alimentos não perecíveis, itens de higiene pessoal, utensílios domésticos. Essa arrecadação será revertida para as vítimas atingidas pelas chuvas na região serrana do Rio de Janeiro atingidas no início desse ano a qual até hoje, quase 1 ano depois estão passando muitas necessidades e parte seguirá para a Namíbia em apoio ao projeto realizado neste país.

O objetivo deste evento além de se promover uma conscientização das pessoas e ajudar ao próximo é dar continuidade no ano de 2012, e fazer desse evento um evento anual e contínuo de responsabilidade social.

O evento tem como objetivo específico também de disseminar e aprofundar a cultura da música eletrônica que está tão presente na vida principalmente dos jovens e que muitas vezes não é valorizada como uma expressão cultural.

A música eletrônica, além de ser uma forma de entretenimento, dialoga com diversos tipos de manifestações artísticas e percepções do espaço em que vivemos. O Festival reunirá os diferentes universos que a música eletrônica engloba e assim abre um espaço para disseminação de conhecimento, formação cultural e troca de idéias. Diferentes tribos reúnem-se no mesmo ambiente, conectadas por um gosto em comum, em meio ao cenário urbano e histórico da nossa cidade.

O formato do evento prevê também: Oficinas de Reciclagem e Circo; intervenções artísticas como Live Painting, VJs, Pirofagia e Performances; praça de alimentação. Um dos objetivos é trazer DJs que tem uma trajetória importante na cena para apresentação popular tendo como objetivo a união e integração com o público, lutando por um ideal e objetivo específico. Assim acreditamos que o enriquecimento possa ser ainda maior as ideologias do formato proposto pelo evento.

Objetivo: 

Trazer através do entretenimento e um dos gostos musicais predominantes em São Paulo, a conscientização da população para a responsabilidade social que temos com o meio ambiente, com o próximo e com nosso planeta. O Festival é um evento de caráter sócio-cultural, que busca a troca, valorização e disseminação das expressões culturais no cenário da ambiental junto com o cenário da música eletrônica, por meio de atividades formadoras educacionais, informativas e de entretenimento.

O projeto acontecerá no Espaço Cultural Tendal da Lapa, a entrada é gratuita.

Justificativa:

Nos últimos meses vimos catástrofes naturais acabarem com vidas humanas, moradias e regiões inteiras, como a região serrana do Rio de Janeiro e centro de São Paulo. Isso sensibilizou os organizadores e idealizadores deste projeto Ziriguidrum, por este motivo e também através do projeto de 10 anos da DJ Ban, contactamos os representantes da seretaria de cultura de SP, responsáveis pelo espaço Tendal e colaboradores. Que se mostraram favoráveis a ajudar para que essa idéia seja colocada em prática, sem custo algum de locação do espaço. A idéia inicial seria apenas ajudar as vítimas das chuvas. Mas com o decorrer dos dias foi se aperfeiçoando e vimos a necessidade de conscientizar a população quanto aos riscos e responsabilidades que nós, cidadãos temos para com este tema. Foi então que surgiu a idéia de se fazer este evento. Através de uma expressão cultural forte no estado como a Música eletrônica além do espírito solidário que o Brasileiro tem quando o assunto é ajudar o próximo. Neste âmbito nasceu o Festival que entitulamos Vida ecológica. O nome retrata muito bem o que queremos transmitir. Uma vida com respeito a este assunto tão na moda que é a vida ecológica e suas responsabilidades, mas também em ter como personagem principal o ser humano tão castigado por erros próprios mas que sempre merece uma segunda chance em sua vida. Agregado a este evento surgiu a oportunidade de também se ajudar um belo trabalho social desenvolvido na Namíbia, com crianças carentes e uma população que sofre desde sua colonização. Povo de origem humilde e cheio de problemas sócio-econômicos e educacionais devido a baixa renda em estado miserável. A estes também estendemos o projeto afim de, mostrar as maravilhas deste país, sua cultura, seus costumes e seus entretenimentos do berço da sociedade chamado África.

Neste sentido se encaixa o que sabemos fazer de melhor. Entreter as pessoas com música, dança e estilos diferenciados. Nos últimos anos, a música eletrônica tem se destacado como uma das mais importantes e novas manifestações culturais da cidade. A valorização de novos ritmos e expressões, a fusão musical com elementos tradicionais de nossa cultura, a facilitação da produção através dos avanços tecnológicos fazem da música eletrônica uma expressão cultural abrangente e democrática.

São Paulo está entre as capitais mundiais da música eletrônica, caracterizada pela forte presença de casas noturnas, as quais os jovens buscam cada vez mais acesso. A proposta do evento vai além do entretenimento, visa disseminar, debater e promover o acesso democrático à todas as formas de expressão cultural presentes neste universo.

O festival Vida Ecológica promove-rá a integração social e cultural por meio de atividades diversificadas como workshops, intervenções artísticas que envolvem o público e criam uma maior dimensão de abrangência cultural. O evento tem caráter beneficente e é de acesso totalmente gratuito. 

Objetivos Específico:

O Festival proporcionará ao público entretenimento, debate de idéias, troca de experiências, informação e formação cultural. Abaixo decompusemos os objetivos e resultados previstos por cada atividade.

ATIVIDADES:

  • Workshops: Proporcionar ao público o contato direto com atividades realizadas a sustentabilidade, meio ambiente, responsabilidade social, e ao cenário da música eletrônica, além de informações culturais e as condições sociais da Namíbia.
  • Oficinas de Circo
  • Exposição de artes com materiais reciclados (Respect – www.respect.art.br)
  • Praça de Alimentação: Espaço com comercialização de alimentos e bebidas não alcoólicas.
  • Exposições de fotos e utensílios africanos.
  • – Live Painting e VJ´s 
  •  Shows: O contato com os diversos segmentos da música eletrônica, através dos shows proporcionará ao público entretenimento gratuito e de qualidade. O formato prevê três pistas, cada uma com um line up variado de DJ´s, explorando diferentes vertentes da música eletrônica, dispostas no espaço da Casa de Cultura Tendal da Lapa. São elas:
  • Pista Ziriguidrum: Voltada para experimentação de sons com batidas quebradas -Drum n’bass / Break Beats / Dub Step e vertentes.
  • Pista Africa-Namíbia: Traz ao público o som dos principais clubs e culturas africanas representados por um DJ´s de renomados de influencias afro como: Maracatu / Afro-beat / Reggae etc.
  • Pista Lounge: Espaço voltado a House Music e vertentes como: Tech House/ Tea Lounge / Electro / Techno.
  • Pista Respect: Sons voltados para o público raver – Psy / Full On / Goa

Público Alvo:

Pessoas de ambos os Sexos de faixa etária que varia de 5 a 80 anos de diferentes classes sociais.

Custos Totais:

  • Sonorização: A sonorização seria cedida pela SP Turis, empresa que tem parceria com a coordenação da Juventude, o espaço Tendal da Lapa                        com sua Sub Prefeitura e a Secretaria de Cultura do Estado de SP
  • Locação do Espaço: Cedido pela Sub Prefeitura da Lapa para a viabilização do Evento
  • Gerador de Energia: Cedido Pela SP Turis 
  • Praça de Alimentação: Precisaria fazer uma parceria com Ong’s, devido ao local ser um espaço público onde o protocolo só aceitaria essas condições   
  • Cache do DJ’s: Por se tratar de um evento sustentável sem fins lucrativos e de inclusão social, faria um acordo com as atrações para viabilizar os custos  
  • Decoração e exposições de arte: Por se tratar de um centro cultural, com várias oficinas de artes e artes cénicas, a Administração do local se propõe em custiar estes artistas    

Resumo dos Custos: 

Como ficou explicito, os custos seriam muito baixo, com o aval da sub-prefeitura da Lapa para a viabilização do evento. 

  • Custo estimado para realização do evento: Em torno de 1.000,00 reais, com despesas de transporte dos idealizadores e convidados, comida e parcerias.
…………………………………

Kimberlei Garcia da Silva

“Olá amigos da DJ Ban, minha idéia basicamente consiste na junção de duas idéias já existentes. Uma destas idéias é o duelo de Dj’s, que junto à outra idéia desenvolvido aqui em minha cidade (Penápolis – SP), fiz algumas adaptações para atender a cena eletrônica. Esta idéia pode ser aprovada pela Secretaria de Cultura do município, assim como o atual projeto.

O atual projeto é voltado para bandas de pop rock independentes.

Minha idéia consiste em juntar dj’s, produtores, dançarinos, malabaristas e demais meios de expressão pela cena eletrônica. Sendo suas apresentações feitas em espaços públicos”

Apresentação:

O Projeto acontecerá anualmente, sendo dividido em 03 (três) etapas ao ano (Preferencialmente nos meses de Março, Junho e Setembro), nas Praças Públicas da Cidade.

Objetivo

O Projeto tem como objetivo promover a inclusão social através da música eletrônica.

1. Abertura de espaços para que novos Artistas como, Deejay’s, Dançarinos, Malabaristas e outros consigam se inserir nas etapas do Projeto;

2. Estimular a cena da música eletrônica, com caráter social e responsável, informando através de mídia visual sobre hábitos saudáveis;

3. Divulgação dos Artistas ao publico participante do Projeto;

4. Capacitação dos inscritos através de oficinas e workshop para aprendizagem de tais artes a escolha;

Como Funciona o Projeto:

  1. Todos inscritos poderão participar do Projeto;
  2. A cada etapa de realização, 03 (três) Artistas de cada categoria, serão selecionadas para participar do Projeto, que será realizado em uma Praça Pública;
  3. Artistas que já tiverem participado, não serão selecionados novamente ate que os demais inscritos tenham sua oportunidade;
  4. Artistas que confirmarem sua participação no Projeto e não comparecer será excluído da seleção do próximo Projeto (ano seguinte);
  5. Os inscritos serão selecionados por uma comissão organizadora, para que aqueles que forem se apresentar tenha um requisito mínimo;

Pré Requisitos para a Inscrição:

  1. Inscritos como Deejays, deverão ter seu próprio equipamento;
  2. Saber efetuar uma virada (a mixagem);
  3. A data e local em que cada um dos inscritos se apresentará, será informada uma semana antes de cada etapa;
  4. A ordem de apresentação será definida em sorteio;

Condições para participação:

  1. Cada Artista terá 50 minutos de apresentação, sem exceções;
  2. O Artista que exceder o tempo será punido pela organização do Projeto;
  3. A troca de um artista para outro será através de mixagem, sendo necessário que o próximo a se apresentar já exige pronto 10 (dez) minutos antes ao lado do que esta se apresentando;
  4. Cada inscrito devera levar seus respectivos equipamentos e acessórios;
  5. Qualquer dano a estrutura de palco, som ou luz será de responsabilidade do inscrito;

Disposições Finais:

  1. A organização oferecera assistência aos inscritos;
  2. A aprendizagem de técnicas de discotecagem dança, malabares e outro serão ministrados através de oficinas e workshop, sendo de responsabilidade do aprendiz ao seu educador.

Obs.: “Esta idéia pode ser implantada em minha cidade sobre aprovação da Secretaria de Cultura, no entanto a comissão organizadora devera arcar com os custos. Estou trabalhando em cima disto adquirindo alguns equipamentos e contatos para firmar parcerias” 

………………………………. 

Anderson Faustino

A idéia:

Promover a inclusão social através de uma ONG, que possibilite o acesso de pessoas carentes ao universo da música eletrônica, possibilitando a formação dos interessados em DJs, produtores, técnicos de sonorização ou em qualquer outra frente que represente ou desenvolva a música eletrônica. Excelente forma de incluir as pessoas à música, descobrir talentos que dificilmente seriam descobertos pela dificuldade de acesso ao nosso meio e uma excelente maneira de derrubar barreiras e alguns preconceitos contra a música eletrônica. A criação de uma ONG traz seriedade e credibilidade ao projeto e facilita a obtenção de patrocinadores e parceiros através da iniciativa privada e também do poder público. Temos diversas ONGs voltadas para a música como inclusão na sociedade, mas quase nenhuma (ou nenhuma) específica para a música eletrônica. Isso traz inovação para o projeto e maior interesse de futuros parceiros.

Criação de uma ONG (Organização Não-Governamental), atividade sem fins lucrativos, porém, que possua receitas que possam custear todo projeto. Trazer pessoas capacitadas e, principalmente, dedicadas, para  fazer parte desta associação, de forma que o projeto possa progredir. Nela poderiam trabalhar voluntários e também funcionários remunerados, de acordo com a necessidade da entidade. 

Nessa entidade seriam ministrados os mais diversos cursos que temos disponíveis no mercado. Desenvolvidos os mais diversos workshops e palestras na sede da ONG ou itinerante,  nas próprias comunidades carentes, buscando apoio junto aos seus líderes comunitários para uma maior eficiência na empreitada. Trazer DJs renomados para o projeto, através de uma participação mais incisiva ou da divulgação do projeto. Uma maior visibilidade do projeto, aliada a pessoas formadoras de opinião, aumenta em muito o seu progresso.

Os alunos seriam recrutados diretamente nas comunidade carentes, com ajuda de seus líderes comunitários, de forma que os mais necessitados possam fazer parte. As turmas seriam divididas por comunidade em cada etapa, de forma que sejam mais homogêneas e aumentem o seu sucesso. Uma das formas de seleção dos alunos poderia se basear no boletim escolar, uma forma de incentivar os estudos no ensino regular.

De que forma a DJBAN entraria? À princípio com seu know-how, podendo seus sócios fazerem parte ou não da ONG. A parte técnica do projeto tem custo e os segmentos do grupo poderiam ser contratados pela ONG, tanto para as aulas como para os workshops. Os melhores talentos descobertos poderiam fazer parte do casting da empresa. Seria uma das formas de inserir os alunos no mercado e ampliar a participação da empresa no projeto.

PRINCIPAIS PONTOS

– Criação de uma ONG, para gerenciar e desenvolver o projeto social.

– Parceria da iniciativa privada, através da Lei de Incentivo a Cultura (Lei Rouanet) e outra leis de incentivo. O projeto seria financiado em sua maior parte desta forma.

– Parceria com o meio artístico. Nas aulas, workshops, palestras e divulgação do projeto social.

– Parceria com o Poder Público. As mais diversas possíveis, que possam desonerar a ONG, desenvolver o projeto e ampliar sua atuação.

– Parceria com as lideranças comunitárias, de forma a facilitar a atuação da ONG nas comunidades.

– Parceria com a DJBAN ou outra empresa, no know-how, na parte técnica ou qualquer outra de execução.

– Parceria com a DJBAN ou outra empresa no gerenciamento da carreira dos melhores talentos, trazendo esses alunos para seu casting.

– Promover a música eletrônica, derrubar mitos e barreiras. 

Isso é uma síntese do projeto, que acredito ser uma boa idéia, que tem uma concreta viabilidade e que pode ser bem aperfeiçoada. Não prejudicaria as escolas existentes no mercado, por ser voltado exclusivamente às pessoas carentes, não aumentando ainda mais as dificuldades de nosso setor. Pode trazer novos talentos à cena, de forma a engrandecer e abrilhantar mais a música eletrônica brasileira. E por fim, incluir as pessoas à sociedade, trazendo justiça e igualdade, com essa ferramenta extremamente poderosa e atraente que é a música eletrônica. 

………………………………. 

Marcel Higashi

Muitos escutam falar sobre inclusão social através de esportes, educação, trabalho etc. Mas inclusão social através de musica eletrônica? SIM, porquê não? Uma forma simples, básica e de fácil acesso, seria realizar um curso de Djs para turmas de crianças e jovens carentes e até mesmo para portadores de deficiência como é o caso do TOP DJ francês Pascal Kleiman. No final de cada curso realizarmos uma “festa de formatura” para cada um ter seu primeiro contato com o publico e assim no decorrer do tempo incluirmos cada um deles na cena eletronica nacional.

………………………………….      

Helder Souza

O Objetivo da INCLUSÃO SOCIAL é introduzir pessoas descriminadas na sociedade, tanto de Classe Social, Racismo ou Deficiência.

O Projeto é fazer com que a musica eletrônica chegue em comunidades carentes, pois nesses lugares dificilmente as pessoas conhecem esse ritmo que está com um grande sucesso no mundo. Mas tudo acontece por que o pais se desenvolve, já as classes baixa não, pois o investimento vai para a cidade grande e a “favela” fica sendo excluida, gerando um atraso para essas pesoas, onde as vezes fica sem reconhecer as mudanças que estão acontecendo, como internet, entre outros.

Se conseguirmos apoios de governantes, empresários, etc., podemos levar a musica nesses lugares, pois se ritmo é mais conhecido em classe alta, nas Boates (Baladas), onde essas pessoas não tem dinheiro para pagar, com esse objetivo da DjBan levaremos para todos, o ritmo musical de grande sucesso atualmente, dando aulas de danças, de como é ser um Dj, e fazer Raves beneficentes para arrecadar investimentos para o Projeto de INCLUSÃO SOCIAL. Alem de tirar jovens das ruas, não conhecendo o mundo do Trafico e das Drogas, mostrar que as Raves não serve para drogar-se e sim incluir pessoas na sociedade com uma interação entre eles e uma fuga da sua realidade sentida na batida da musica.

 …………………………………

Carlos Bruno Verçosa de Lima

Como sabemos, nós Djs fazemos a alegria e divertimento do público, Como sabemos existem varias ongs que ajudam Crianças e Adolescentes em sua formação educacional e profissional, que são sustentadas por doações, Nós trabalhamos com o público e eventos, onde eventos beneficentes poderiam ser feitos para arrecadação de fundos para apoiar ou então fundar ongs que promovem a inclusão social, Onde oferecem cursos profissionalizantes , esportes, oportunidades no mercado do trabalho para assim podemos fazer nossa parte para afastar do mundo do crime muitos jovens, e é sempre bom fazer uma criança feliz.

………………………………………….

Danillo Coelho

Fala grande mestre, muito bacana a iniciativa, que a música pode salvar vidas isso todos sabemos,assim como que a música eletrônica tem o poder arrebatador de mexer com a galera e fazer apaixonar, mas a questão é como salvar vidas com a música, como gerar esse sentimento, principalmente quando se trata da galera menos favorecida, que não tem grana pra pagar entrada de boate muito menos pra ter acesso a esse tipo de cultura.

Uma idéia seria então levar a música até eles já que eles não podem ir até a música, montar um pequeno setup pra fazer um som em locais que essa galera se reúna, pode ser tipo no vão livre d masp, ou próximo a alguma comunidade, algum lugar que essas pessoas tenham acesso e dê segurança pra poder fazer o projeto tranquilamente,fazer um flyer mesmo,tipo  como se fosse uma festa ao ar livre…e soltar o som, com certeza muita gente vai se aproximar, alguns pela música, outros apenas pela novidade de tantas luzes e botões ali piscando hehehe…e após isso, depois de gerar essa curiosidade abrir um dia específico pra dar aula pra galera que se interessar,mostrar como a música eletrônica é feita, pra chamar atenção mesmo, e assim quem sabe, não se encontra um novo talento, e tira uma criança dessas de uma vida já escrita com um roteiro nada bacana.

Ganhando ou não, espero que isso seja possível , porque com certeza tem muito adolescente ae com talento, e sem oportunidade …estão fadados a uma vida desprezível…

 

A DJ Ban é uma empresa fundada em 2001 e sediada em São Paulo. Entre as áreas de atuação estão cursos, loja, TV, estúdios para treino e gravação de sets, palestras, locação de equipamentos, eventos, e outras atividades ligadas a música eletrônica.

Compartilhe este post:



Pesquise no Blog:



Categorias do Blog



Conheça a Ban em um minuto