Contatos: (11) 3142-9676 / 3257-8717 / WhatsApp: (11) 97485-5700 - Seg. à Sex. das 09h00 às 22h00 e Sáb. das 09h00 às 18h00.


Controladoras de 4 decks – parte 2

Controladoras de 4 decks – parte 2

Essa é a segunda parte de nossa matéria sobre controladoras MIDI tudo em um, aquelas que têm mixer, jog wheels, placa de som e controle de efeitos. A diferença é que as que estão aqui controlam 4 decks separadamente.

Caso não tenha visto, a primeira parte esta aqui, mas não muda nada ler uma ou outra primeiro. O objetivo desse comparativo é apresentar todos os pontos de cada controladora e ajudar quem quer comprar uma a escolher a que melhor atende suas necessidades. Esse post traz Denon, Allen & Heath e Gemini. Vamos a elas!

Denon DN-MC6000

Se fosse julgar apenas pela aparência, nem cogitaria adquirir essa controladora. Parece que colocaram todos os controles possíveis juntos, tornando-a confusa, com muitas cores, tudo espremido. Por outro lado organização é algo bastante subjetivo, podendo este ser o equipamento dos seus sonhos.

djban-emc-Denon-MC6000

 

Características<

Apenas pela imagem já podemos constatar que a marca se preocupou em diferenciar todos os parâmetros por cores. Só acredito ser desnecessária a diferenciação em cada lado, afinal o que está tocando em um, não está no outro. Os controles de efeitos ficam nos cantos superiores, loops e cues acima dos pratos e controles de volume (todos possíveis) nas laterais. Os pratos têm um tamanho padrão, semelhantes aos da Kontrol S4, por exemplo.

Ao centro há o controle de volume de dois parâmetros (quaisquer que forem mapeados no software), um botão seletor giratório e botões para carregamento de músicas (apenas dois, A e B). O botão seletor pode controlar três modos (Mixer, Vídeo e Scratch) e quatro seções (Browse, Sample, Efx e Record). Ou seja, é possível gravar áudio, editar samples, selecionar efeitos e músicas, mas não tudo ao mesmo tempo, afinal o mesmo botão é usado para tudo.

Como em todos os modelos que revisamos é possível utilizar a MC6000 como mixer, recebendo sinal analógico ou digital em dois canais, sem precisar estar ligada a um computador. O controle de entrada de sinal está em cima de cada canal e o LED de sinalização de volume pode mostrar cada canal mono ou a saída Master.

Dois efeitos podem ser associados a cada canal, que têm seus controles separados. Pode-se confundir que canal está sendo configurado, pois a indicação é por cor (azul para A e B, vermelho para C e D). Seria melhor uma sinalização simples em baixo de cada knob de efeito.

ogo abaixo estão as funções Key Lock, Auto Loop, Loop Manual (in e out), 4 Cues e shift (que deleta ambos Cue e Loop). A regulagem de pitch fica ao lado do mixer, na parte de dentro do equipamento. Os botões de Cue e Play são grandes, de toque leve (mas nem tanto), como tinha que ser, afinal devem ser esses os botões mais acionados pelos DJs.

O controle de volume dos dois microfones é individual e o controle do fone fica abaixo. Do outro lado da controladora temos o volume Master e volume de saída auxiliar (Booth/Send), este com knobs de Hi e Low (-15/+15) que podem ser associados a qualquer um dos canais.

Na parte frontal da controladora há equalizadores individuais para os microfones e um Echo para ambos. Tem também regulagem da curva de passagem do crossfader e canais associados a ele. Na parte posterior há uma saída balanceada, uma saída auxiliar P10 e uma saída RCA estéreo (record). A entradas são: duas Line/Phono RCA estéreo, duas auxiliares RCA estéreo, uma entrada balanceada para microfone e outra comum (P10).

A MC6000 foi uma das primeiras controladoras para quatro decks a ser lançada, em Agosto do ano passado, focando nos softwares Virtual Dj e Traktor. Talvez por não ter tido a oportunidade de observar suas concorrentes anteriormente, a MC6000 apresenta várias deficiências em relação às outras controladoras. Se bem que a Xone DX saiu antes…

Mas pesquisando em fóruns e até mesmo nos comentários sobre o vídeo abaixo, seus usuários parecem bastante satisfeitos. Dê uma olhada no produto:

Mais informações você encontra no site da Denon.

Allen & Heath Xone DX

Tida para muitos DJs como a melhor marca em matéria de mixers, a Allen & Heath pode não ter mais uma controladora que é sinônimo de inovação (afinal muita coisa boa foi lançada posteriormente),  mas a qualidade do equipamento, dos faders à placa de som, dos botões aos plugs de encaixe, deixam a sensação de um companheiro de muitas e muitas cabines…

djban-emc-Allen-Heath-Xone-DX

 

Características

Desenvolvida em parceria com a Serato especialmente para o software ITCH, a DX é provavelmente a controladora mais simples do nosso comparativo. Por ter sido feita pensando no software toda sua interface e endereçamento MIDI casam perfeitamente com todos os controles do ITCH, mas ela pode ser usada com qualquer outro software com suporte MIDI.

São pontos positivos da DX o espaçamento entre botões, o tipo dos botões (clássicos, fundos, mas sensíveis), os materiais de fabriação e a qualidade do áudio. Ela peca, porém, nos poucos recusros tecnológicos (se comparada às concorrentes mais novas) e principalmente por não poder ser utilizada como Mixer sem o ITCH rodando. Há entradas para fontes externas, que só funcionam com o software.

Outro ponto que merece destaque negativo são os jogs, que além de pequenos também não são sensíveis ao toque, impossibilitando a execução de scratchs. Complicou né?

A parte destinada aos efeitos é composta por dois bancos. Cada banco pode ter dois efeitos aplicados em cada canal individualmente. Os efeitos no ITCH são sincronizados com a batida, mas o botão Beats Free permite a criação livre do Grid da música.

Logo abaixo dos efeitos está o controle de Loops. Após ligado e delimitado, um loop pode ser modificado através de um botão seletor, que poderá transitar de 1/32 de compasso até 32 compassos. Os loops podem ser feitos automaticamente ou manualmente. Logo abaixo deles estão Auto Sincronização, Reverb, Clear Set, Key Lock/Quantize e Scrub/Skip.

Nos cantos inferiores estão os jog wheels e botões avantajados de Cue e Play. O pitch bend é o próprio prato, enquanto o pitch range é controlado por um botão giratório. Embaixo disso tudo estão 4 hot cues, que como todos os outros botões têm iluminação discreta vermelha quando acionados.

Ao centro há um botão giratório para navegação na biblioteca do Itch, auxiliado por dois botões. O volume do fone é controlado por um knob localizado entre os faders de volume dos canais. Na parte superior do mixer estão Leds que indicam o volume da Master, mas cada canal tem um indicador individual com apenas 4 Leds.

A placa de áudio embutida tem qualidade 96khz/24-bit, com uma entrada e uma saída para áudio digital, entrada e saída MIDI, 4 entradas e 4 saídas estéreo RCA e saída balanceada de áudio. A DX tem também duas entradas para fones de ouvido e uma entrada balanceada para microfone. Há ainda uma entrada “Direct Input”, que pode ser usada como entrada direta para a placa de som, sem precisar do ITCH. Mas é apenas 1 entrada, talvez de emergência?

É importante ressaltar que apesar da conexão ser via USB, a Xone DX precisa de uma fonte de alimentação externa, ao contrário das outras controladoras que às vezes apenas têm mais brilho em seus LEDs ao serem ligadas na tomada. Mais informações você encontra no site da Allen & Heath. Lá também tem uma série de vídeos tutoriais explicando passo a passo cada função. O vídeo abaixo foi gravado no ano passado pelo site ProAudioStar no ano passado.

Para comprar a Xone DX acesse nossa Loja Vip e confira condições especiais de pagamento.

Gemini CTRL 47

Nosso último produto, coincidentemente o último a chegar no disputado mercado das controladoras de 4 decks. Compete entre as mais simples, mas sem dúvida sua interface limpa, com jog wheels médios e bom espaçamento entre botões é um grande destaque positivo.

Vai sobrar espaço para falar da Ctrl 47. Placa de som de 192khz/24-bit, baixa latência de seu driver Asio (todas as controladoras analisadas têm latência imperceptível) e tudo no seu devido lugar. A Gemini se preocupou em fazer um equipamento barato, sem dúvida o mais em conta de todos. Provavelmente a qualidade dos componentes sai prejudicada, mas não posso afirmar com certeza pois parece que ninguém testou a Ctrl 47 e há pouquíssimas informações no site da empresa.

Sei pelo menos que ela pode ser usada como mixer sem estar ligada ao computador e que pode-se esperar o mesmo desempenho dos discos que os dos CDJs da Gemini. A controladora tem entradas de áudio Line/Phono RCA, uma entrada balanceada e uma entrada para microfone, na parte frontal. As saídas da placa são 3 RCA (Master, Booth e Record), uma balanceada, uma digital e duas para fones de ouvido (uma P10 e outra P2).

Parece que os autores do vídeo abaixo foram os únicos a filmar o produto (ou pelo menos a divulgá-lo). Eles mostram um pouco da Ctrl 47 no final do vídeo, após a introdução do novo CDJ da marca.

Com esta matéria esperamos ter contribuído para ajudar os interessados em controladoras de 4 decks a decidir o investimento. Na primeira parte acabaram ficando as melhores, nesta aqui as “renegadas”. De qualquer forma, além de análises técnicas tem também a avaliação subjetiva, portanto foque naquilo que você precisa (e gosta) e as chances de se dar bem serão maiores.

Para manter-se sempre atualizado, siga-nos no twitter: @ban_djban (oficial/Ban Schiavon) e @tdlucca (eu que vos escrevo).

A DJ Ban é uma empresa fundada em 2001 e sediada em São Paulo. Entre as áreas de atuação estão cursos, loja, TV, estúdios para treino e gravação de sets, palestras, locação de equipamentos, eventos, e outras atividades ligadas a música eletrônica.

Compartilhe este post:



Pesquise no Blog:



Categorias do Blog



Conheça a Ban em um minuto