HomeNotíciasBate-papo com o DJ Rodolfo Moss, ex-aluno DJBan

Bate-papo com o DJ Rodolfo Moss, ex-aluno DJBan

O Dj Rodolfo Moss é ex-aluno dos cursos de Dj e Produção Musical da DJBan, já tocou em muitas festas legais Brasil afora e agora está à frente da organização e curadoria de um projeto que deve dar oportunidades à ex-alunos e parceiros nossos.

Na entrevista abaixo ele fala um pouco da carreira, impressões sobre a cena musical e, claro, mais informações sobre o projeto que estreará no Lab Club no próximo sábado, 4 de Agosto (saiba mais aqui).

Fale um pouco sobre sua carreira como DJ.

Em 2003 comecei a frequentar as festas ligadas à música eletrônica. Após três anos “na pista”, eu senti a necessidade de algo mais grandioso, daí, através de um amigo comecei a ter contato com os equipamentos e técnicas dediscotecagem e, o que posso dizer? Paixão à primeira vista!

Em pesquisas por uma escola idônea, achei da DJBAN, fiz o curso de mixagem básica, e em conjunto comecei a expor meu trabalho e procurar casas que o aceitasse. Busquei um curso de mixagem avançada, quando aprendi técnicas avançadas de mixagem, efeitos com sintetizadores e através deste comecei a enxergar a gama de possibilidades que se pode fazer com ela. Aqui eu já estava tocando em festas particulares e em algumas casas de nome desconhecido na cena, porém o que já estava me fazendo muito feliz.

Alguns anos após, em 2009, voltei à DJBAN para aperfeiçoar minha técnica fazendo um curso especializado de equalização e efeitos, foi um diferencial considerável para a qualidade dos meus sets. Nesta época eu fiquei nove meses como residente do tradicional clube Vinyl e parti para coisas mais profissionais envolvendo contratos, cachês, etc.

Por fim, em meados de 2011 busquei novamente a mesma escola e me formei como produtor musical, com especialização no software da Apple Logic Pro.

Desde o começo, a vertente que eu mais segui foi o Techno e o Minimal principalmente. Mas, como eu sempre digo, eu gosto de música boa, sem me prender em estilos, produtores, etc. Adoro colocar pitadas de elementos diferentes nos meus sets, principalmente elementos surpresa que causam espanto no público. Divirto-me exacerbadamente muito nos decks. (Risos)

O que você acha da cena eletrônica no Brasil, sobretudo em São Paulo?

O que posso dizer, na verdade é que sinto um potencial absurdo aqui e, como todos sabem, existem nomes que representam São Paulo e o Brasil muito bem. Contudo, ainda sinto certa resistência à abertura desta cena para pessoas que estão por aí que têm qualidade de sobra, porém por fatores externos e maiores a elas acabam não tendo as oportunidades devidas.

Para resumir, acredito que a cena tem, sim, espaço para todos. Porém sinto falta de ouvidos afiados daqueles que são responsáveis por lançar novos nomes naquela, infelizmente. Apesar disso, não perco a fé e sempre acreditei que o jogo pode virar e fazer com que os DJs tenham um maior incentivo com relação a suas músicas.

E, por tudo que penso deste assunto, é que surgiu a ideia do projeto que por ora foi batizado de “Pupilos Lado-B” e tem como principal objetivo, utilizar a voz ativa de uma pessoa formadora de opinião e que possui um respeito inquestionável no cenário eletrônico do Brasil, para lançar esses novos talentos no mercado nacional sob line up’s bacanas dentro de festas bacanas também!

Como surgiu a idéia de um projeto para promover novos talentos?

Como citei anteriormente, a ideia do projeto partiu daí. Da falta de oportunidade de desenvolver potenciais talentos dentro da cena, que se encontra bem fechada.

Os últimos tempos se aproximaram e com eles vieram o desejo incessante do novo – novo como renovação, destreza, sentimento, sensação, enfim… O que no popular chamamos de feeling. E é daí que a mente começa a travar batalhas internas, chegando à essência do projeto: A Humildade.

O projeto Pupilos Lado-B surgiu apoiado na incessante busca de novos talentos com características marcantes e diferenciadas, quando comparadas ao que existe atualmente no supracitado mercado brasileiro da música eletrônica.

E com os olhos e ouvidos afiados de um consagrado DJ e produtor brasileiro, detente de mais de vinte anos de profissão, William “Bunny’s” Schiavon, é que se dá início aos representantes do símbolo Pupilos Lado-B.

O projeto Pupilos Lado-B visa à busca do não óbvio, busca a renovação. Ou seja, aqui o que vale é o gosto musical refinado para atingir um público alvo exigente, o qual lidera cada dia mais as noites dos clubes brasileiros. O projeto atrai pela qualidade e não pelo status, pois é sabido que só assim é possível construir um período extasiante, singular e mágico para todos os envolvidos que prestigiam a noite regada de boas intenções musicais.

O intuito do Pupilos Lado-B é adentrar ao meio já existente e, que atualmente fala-se que está fechado, trazer novos rostos de talento para os mais diversos tipos de festa – seja indoor ou open air.

Tudo isso sem rótulos, sem propagandas enganosas, tons superiores ou prepotência, mas sim com o que temos de melhor: A boa música.

Flyer da festa Black Jack, com line up DJBan no Lobby

E quem quiser participar, o que deve fazer?

O Pupilos Lado-B possui um leque de artistas nacionais baseado no que acredita e, principalmente, no que é acreditada. Assim sendo, estamos coletando todos os interessados para o casting deste projeto, que terá início neste sábado (4 de agosto) no LabClub. É importante salientar que o projeto é itinerante, ou seja, poderá ocorrer em qualquer clube ou festa desde que sejam respeitados os interesses musicais do local. Para participar, sugiro encaminhar um e-mail para mim (roraalmeida@gmail.com) com as informações cruciais para o cadastro, tais como: Nome, nome artístico, e-mail, telefone para contato, link do SoundCloud, MixCloud ou demais mídias sociais que possam conter exemplos do estilo musical do artista, etc.

Lembro que este projeto é um iniciativa em parceria com a DJBAN e daremos sempre preferência para ex-alunos e parceiros que sempre apoiaram a empresa, conhecem, são clientes da loja, etc.

Deixe um conselho para quem sonha em ser DJ e está começando agora.

O conselho que dou, por mais clichê que possa parecer, é: Nunca deixe de seguir o que você acredita. Se você é do Drum & Bass, siga, se você é do Techno, Chill Out, Nu Disco, Deep, enfim…

Siga o que acredita. E acima de tudo isso, e o primordial é: Se especialize, faça cursos, aprenda, entenda um pouco da história da música, como surgiu e o porquê você quer isso. Não caia na tentação do mais fácil, pois, como já dizia o profeta: “Se fosse fácil, todo mundo fazia – e faria sucesso!”

Rodolfo Moss – Soundcloud

Facebook Comments

Por:

A DJ Ban é uma empresa fundada em 2001 e sediada em São Paulo. Entre as áreas de atuação estão cursos, loja, TV, estúdios para treino e gravação de sets, palestras, locação de equipamentos, eventos, e outras atividades ligadas a música eletrônica.