Reviews vestax_vci100_ban

Publicado em setembro 4th, 2007 | por Dudu P

55

Dando uma geral completa no Vestax VCI-100 (com fotos e vídeo)

Dando uma geral completa no Vestax VCI-100 (com fotos e vídeo)

Um dos controladores midi mais esperados do ano, completamente dissecado: esta é a análise exclusiva do Submusica para o controlador VCI-100, da Vestax, com muitas fotos e um vídeo dele em ação. De quebra, as primeiras dicas e macetes para quem já colocou as mãos no seu VCI-100.

Mas o que é o Vestax VCI-100?

Boa pergunta. Antes de começarmos a dissecar o danado, melhor entender um pouquinho sobre o tal aparelho, pra que você não fique boiando ao longo do texto. Vamos lá!

Vestax VCI-100: grande, mas não tanto Anunciado no começo do ano pela Vestax, o controlador VCI-100 foi ansiosamente aguardado por muitos DJs que já se vêem envolvidos com controladores midi em seu dia-a-dia, e que até o final do ano passado, contavam apenas com o controlador BCD-2000 da Behringer como única solução realmente pensada para DJs — que, mesmo com truques e macetes para funcionar melhor, ainda está longe de ser chamado de solução profissional.

O Vestax VCI-100 é apenas um controlador midi — isso significa que ele não possui áudio embutido. A justificativa é oferecer a menor latência possível, já que ter tanto o áudio junto com os comandos midi trafegando pelo mesmo cabo USB podem complicar as coisas, o que faz total sentido. Outra vantagem é que se der alguma travada nos controles, o áudio não cai junto.

Outro grande atrativo do VCI-100 é que ele foi completamente pensado em cima do Traktor 3, o programa para discotecagem mais aclamado pelos profissionais. Isto com certeza é uma vantagem enorme para quem já está acostumado com o programa da Native Instruments.

E eis que finalmente no mês de Maio começaram a aparecer as primeiras unidades nas lojas gringas. Assim que soube, corri para encomendar a minha unidade — que veio de longe, lá do Japão. Depois de passar o mês de Julho com uma unidade em mãos, tendo gravado até um podcast com ele, chegou a hora de darmos uma geral no console.

Todo em metal, o controlador tem o mesmo acabamento dos tradicionais mixers da Vestax
Todo em metal, o controlador tem o mesmo acabamento dos tradicionais mixers da Vestax

As primeiras impressões ao abrir a embalagem e a instalação

Com preço de 500 dólares nos Estados Unidos, o Vestax VCI-100 vem com um pacote bem simples e direto ao assunto: ao abrir a caixa, além do aparelho em si, um cabo USB do tipo A-B e os CDs de instalação, e um manual bem simples, que dispensa a leitura, pois não fala muita coisa.

No CD de instalação, uma edição completa do Traktor 3 LE, e uma versão de demonstração do Traktor DJ Studio 3, a versão mais completa do velho e bom Traktor. Já de cara, um problema e tanto para quem usa Mac: o CD não vêm com as versões dos programas para OS X, o que já joga um balde de água fria para os Maczeiros de plantão — eu, por exemplo. Mas bastou enviar um e-mail para o suporte técnico da Vestax no Japão, e em menos de uma semana chegou um CD novinho em folha, para Mac. Ponto para a Vestax.

O principal destaque do VCI-100: jog wheel sensivel ao toque, como nos CDJ 1000 da Pioneer
O principal destaque do VCI-100: jog wheel sensivel ao toque, como nos CDJ 1000 da Pioneer

A unidade é muito robusta, toda em metal, e deixa pra trás todo e qualquer controlador midi que eu já tenha visto, mesmo teclados arrojados como a série Axiom, da M-Audio. Quem já operou um mixer da Vestax vai se sentir extremamente familiar com a pegada dos knobs e faders: tudo é muito firme e com acabamento impecável, passando uma sensação bem segura de que é uma unidade para usar para a vida toda. Os jogs são firmes e bem montados, e com ótimo peso, que permitem manipular com firmeza mas fazer um backspin quando for preciso. Não dá nem pra começar a comparar com um Behringer BCD-2000.

Instalar é muito fácil: tanto no Windows como no Mac OS X, não é preciso usar drivers. Ao espetar o cabo USB e ligar a chavinha na traseira (que permite escolher entre USB, desligado ou fonte externa, que não vem no pacote), o computador já sai detectando a unidade, e alguns de seus leds se acendem. Estes são discretos, mas se destacam bem na escuridão, como pode ser visto nas fotos.

O Vestax VCI-100: leds e luzes discretas quando estão na claridade…
O Vestax VCI-100: leds e luzes discretas quando está na claridade evita chamar a atenção demais…

…mas no escuro, a iluminação se mostra bastante eficiente
…mas no escuro, a iluminação se mostra bastante eficiente, sem deixar o DJ às cegas.

Com a unidade já detectada, é só instalar o Traktor 3 LE que vem com ele, e fazer o registro do programa. Já a unidade do VCI-100 não precisa ser registrada, deixando o processo mais fácil ainda. Como já vimos aqui no Submusica, o Traktor 3 LE é muito fraco, então o ideal é que você tenha pelo menos uma demonstração do Traktor 3 DJ Studio, ou sua versão completa. Basta carregar o arquivo de configuração oficial da Vestax, e indicar nas opções do programa em Midi Devices que você quer usar o VCI-100.

Botando o danado pra trabalhar: Vestax VCI-100 em ação

Uma vez configurado no Traktor 3, o aparelho se comporta de maneira exemplar, com nenhum atraso (lag) na operação dos comandos, e bem preciso. Alguns macetes na configuração são necessários — no final do texto tem mais sobre eles.

Melhor do que ficar contando história é mostrar ele em ação, em um vídeo exclusivo:

O vídeo está longe de ser dos melhores: além de ter gravado sem pré-escuta (justamente pra mostrar como é mixar usando o pitch dele), eu tive que apoiar o mesmo em cima de um catálogo, de forma a conseguir gravar também a tela do Traktor para que se possa ver melhor os comandos em ação.

Quanto aos scratches: não são minha praia, mas como todo mundo fica curioso pra ver, tentei algumas coisas ali, que ficaram bem meia-boca. De cara, já repito o que disse antes aqui: se você quer fazer scratches, esqueça som digital; compre vinis e toca-discos convencionais! 😉

No geral, o controlador corresponde com perfeição ao que aparenta nas fotos, e até surpreende. Seu peso e pegada são realmente firmes e inspiram confiança, e o layout dos controles é perfeito para o Traktor DJ Studio 3, inclusive com o mixer de 4 bandas (graves, médio-graves, médio-agudos, agudos). Os botões de navegação (up, down, load A e load B) são uma bela ajuda. E muito mais poderá ser feito à medida que o usuário se aventurar com as configurações — vide o que já acontece com o Midi Rules. Destaque especial para o pitch, que apesar de curto, dá conta do recado e permite mixar naturalmente, como se viu no vídeo acima.

Abaixo, fotos de alguns dos detalhes do controlador:

vestax_vci100_efeitos.jpg

vestax_vci100_equalizadores.jpg

vestax_vci100_navegacao.jpg

vestax_vci100_pitch.jpg

Resumo da ópera: vale a pena investir meu suado dinheirinho?

Esta é sempre uma pergunta complicada de ser respondida, pois varia de caso a caso. É, sem dúvidas, um produto caro, ainda mais porque vai requerer uma placa de som adicional, com duas saídas. Porém é sem dúvida um controlador que inspira confiança e que faz todos os outros parecerem coisa de criança.

Se você é fã do Traktor 3 e não pensa em mudar de software, meus parabéns: você acaba de encontrar o controlador perfeito — ainda mais se você ainda usa a versão 3.1 com o suporte ao Final Scratch 2. Com alguns ajustes na configuração do arquivo TKS, e você pode ter um belíssimo controle para os decks C e D, usando a saída de áudio de fones do Scratch Amp 2, além dos decks A e B controlados por vinil. Confesso que me arrependi de ter vendido meu Final Scratch 2, pois gostaria de experimentar este setup na prática.

O VCI-100 encontra-se a venda na Loja Vip DJBan

vestax_vci100_knobs.jpg

Agora, se você quer custo x benefício, me parece que o Xponent da M-Audio é o que sai mais em conta. Apesar do preço salgado, a solução é completa e inclui o software Torq. Sem dúvidas o Traktor 3 LE é uma bela enganação, portanto faça bem as contas na hora de considerar um Vestax VCI-100.

No mais, não se deixe enganar: controlador midi não é pra scratch nem back 2 back. Se você quer fazer pegadas, fique com toca discos e vinil convencional, pois não há melhor solução do que a original.

Dicas, macetes e as limitações do Vestax VCI-100

Agora, vamos lá: apesar de ser só elogios, o VCI-100 ainda tem uns pequenos probleminhas. Mas como estamos falando de midi, tudo pode ser resolvido através de configurações e atualizações.

– O primeiro é um defeito com a função de scratch. Quando você toca a parte metálica do jog wheel, você automaticamente entra no modo de scratch, e ao soltar, ele sai do modo scratch. O problema é que enquanto o jog estiver se mexendo, mesmo que você tire a mão de cima, ele continua em modo scratch. O efeito colateral é que para soltar uma faixa como no vinil, você tem que freiar o jog na hora de soltar, o que dificulta muito algumas manobras. A Vestax está ciente do problema e vai soltar uma correção. O problema: ela só poderá ser feita numa autorizada.

– O segundo problema é que o pitch é extremamente curto, e na configuração padrão do Traktor 3 (+/-8%), fica impossível acertar as músicas com precisão. A manha é configurar o fine pitch do Traktor para +/-3%, e dar uma zerada no pitch na posição mínima — desta forma, você fica com um pitch que vai de 0 a +6%. E aí a coisa fica tranquíla.

– Por causa do esquema midi dele, alguns programas ficam complicados de mapear, como o Torq da M-Audio. Por exemplo, ao mapear o pitch, ele fica invertido. A Vestax promete que a atualização vai consertar isso também.

E é só. Alguns erros na configuração do arquivo TKS oficial da Vestax tornam ele um pouco difícil de operar, mas você pode experimentar o arquivo TKS modificado exclusivo do Submusica!

Arquivo TKS do VCI-100 para o Traktor 3.2 – Versão do Submusica

O que muda em relação ao TKS oficial da Vestax:
– As bordas dos jog wheels estão menos sensíveis, para adiantar e avançar a música sem solavancos
– O pitch está como “fine pitch” e não o pitch geral, permitindo que se ajuste o comprimento do mesmo para valores como +/-3%
– O segundo botão de efeitos está no esquema “on hold”, ou seja, ele só funciona enquanto você o mantiver apertado, o que é essencial para alguns efeitos como o beat masher.

Em breve farei mais modificações, e assim que tiver novidades, falarei a respeito em uma nova matéria.

Então é isso. Espero que tenha gostado do review. Aproveite e deixe seu comentário, e se tiver dúvidas, entre no fórum exclusivo para troca de figurinhas no SubDJs: www.subdjs.com. Até a próxima!

 

O VCI-100 encontra-se a venda na Loja Vip DJBan

Tags: , , , , , , , , , ,


Sobre o autor



55 Responses to Dando uma geral completa no Vestax VCI-100 (com fotos e vídeo)

  1. DJ Mario Bros says:

    Dudu sabe se posso usar o Vestax VCI-100 USB MIDI com o windows 7?
    Grande abraço

  2. Pedro says:

    Boas pessoal! parabens pelo review.. é de facto uma maquina com muito potencial eu comprei a pouco tempo e so tenho boas coisas para dizer…
    Agora gostava de saber como posso adicionar esse ficheiro aí TKS para o traktor, ou tou a fazer a coisa errada ou entao ele já nao ta disponivel.. Alguem me pode ajudar?

  3. Henrique says:

    Sem falar que o pitch do BCD é bem maior do que o dessa controladora…

  4. Henrique says:

    Fala sério… caro para caramba e nem tem placa de som imbutida… podem falar mal do BCD à vontade pra mim é o melhor controlador do mercado… bom, barato e com tudo que é necessário pra dicotecar. Já uso o meu 2000 há 1 ano e meio e agora comprei um 3000 que é tão bom quanto o 2000.

  5. Neniomar Loko says:

    Olá, depois desse longo período, gostaria de saber se os problemas que foram encontrados no ínicio da VCI-100 foram resolvidos? Se eu comprando um VCI-100 já vem com o firmware atualizado e o problema do jog whell, que ao ser tocado já dispara o modo scratch e o problema do pitch bend também. Okay obrigado pela a entrevista me ajudou muitoooo. Quero só tirar essas dúvidas porque quero comprar uma VCI-100.
    Valeuuuuuuuuuu

  6. Pazoca says:

    Eu tenho um Vestax Vci 100 para vender semi novo se alguem tiver interesse
    favor me mandar um email. eu estou em São Paulo

    Obrigado

  7. Bunnys says:

    Oi Luis, a mais em conta é da Numark (DJ IO), mas a M-Audio tem varias tb excelentes, indicamos a Fast Track Pro. Link das placas: http://www.djban.com.br/equipamentos/placas-de-som-para-djs/

  8. Vicente says:

    Numark NS7

    Estou pesquisando sobre controladores e achei essa peça rara.
    O preço não agrada nem um pouco mas gostei porque é robusto e o pitch é aparentemente do tamanho das cdjs. Se alguém souber algo sobre esse equipa, suas funcionalidades espero um retorno abraço

  9. Luis says:

    boas, eu gostava de saber se com a vestax vci 100 e possivel obter a pre escuta utilizando uma placa de som externa, e se sim, qual a que me aconselham..

    ABC’s

  10. Egon says:

    [quote comment=”8788″]galera, alguem tem o cabo usb dele? o meu sumiu[/quote]

    Amigo, é um cabo USB tipo A-B, super fácil de encontrar e vende em qualquer loja de informática.

  11. Adelmo says:

    galera, alguem tem o cabo usb dele? o meu sumiu

  12. Excelente avaliação!

  13. gabriel ss. says:

    [quote comment=”6765″][quote comment=”6378″][quote comment=”5031″]Se alguém estiver interessado em comprar esse meu Vestax, está novinho em folha, como mostram as fotos. ;)[/quote][/quote]

    quanto?

  14. tales says:

    [quote comment=”6378″][quote comment=”5031″]Agora é hora de mandar vir um Xponent e destrunchá-lo também. Se alguém estiver interessado em comprar esse meu Vestax, está novinho em folha, como mostram as fotos. ;)[/quote][/quote]
    eu compro!

  15. carlos roberto says:

    olha , depois dessa materia resolvi apostar tambem nos controladores midi. agora quando eu terei um vestax so deus sabe , mas vou começar com um bcd primeiro .muito boa materia sem voltas e direto ao assunto.

  16. tales says:

    dudu,
    comprei um traktor scratch mas preciso de algo mais prático pra viagem. to pensando num vestax vci 100. dá pra usar a placa do traktor com ele? como ligo os dois no lap?
    valeu!

  17. tales says:

    dudu,
    comprei um traktor scratch mas preciso de algo mais prático pra viagem. to pensando num vestax vci 100. dá pra usar a placa do traktor? como ligo os dois no lap?
    valeu!

  18. daniel says:

    [quote comment=”5031″]Agora é hora de mandar vir um Xponent e destrunchá-lo também. Se alguém estiver interessado em comprar esse meu Vestax, está novinho em folha, como mostram as fotos. ;)[/quote]

  19. Dj Cassius Clay says:

    Comecei com os antigos Mk2 da technics, e desde de lá venho acompanhando a evolução da dance music em todo (Lps, cds, mds, artistas, gêneros, o grande salto dos djs…)
    Sempre imaginei como todo o material com que trabalhamos fosse (e como já agora, amanhã…) fosse diminuido. Evolução muito afrente do que eu imaginava. Reamente toda a midia digital É QUEM MANDA! Cara sem comparação. Não preciso falar o que reamente é obvio, não é? Mas com qual escolher? Ralando muito pela net, descobri esse saite. Brother, nota 10, meu. Parabéns pelas matérias e esclarecimentos.
    De vez em quando mando minha opinião. E o VESTAX VCI-100? Sem comentários. Mas ainda vou continuar pesquisando esse mundo de controladores midi. E graças a você compreendendo. Energia positiva para todos.

  20. VelaZ says:

    Oi,qual o preço dessa mesa de mistura alguém sabe ? obrigado 😉

  21. Dudu P says:

    Luciano, eu já vendi o Vestax. Obrigado pelo interesse! 😉

  22. luciano says:

    estou em ribeirao preto mais estou indo pra sampa toda semana por conta de uma peça no centro cultural bb no centro de sp pois loco projetores e tenho um locado lá ate o final de fevereiro obrigado

  23. luciano says:

    dudu é vc q estav com a oferta no mercado livre se sim o parelho ja foi vendido? se naum vendeu ainda entre em contato comigo grato

  24. Bruno says:

    Fala ai Dudu, tudo bem?
    Cara, estava procurando um USB midi controller ou algum controller com USB Link for storage device sharing ou Ipod. Até que cheguei a você quando no google encontrei o Vestax. Eu li que você está vendendo o seu, quanto custa?

    O que você acha em realizar a aquisição do Vestax ou Xponent? Você como crítico e profissa que é, poderá indicar o investimento correto.

    Fora isso, você conhece o IDJ2? Encontrei o dMIX-300 e 600 da Cortex. Você conhece?

    Parabéns pelo trabalho. Abraços

  25. Pablo Alvarez says:

    Ainda estou muito ansioso com o xponent.

    Alguém já sabe se ele já esta no Brasil?

  26. rob mikrob says:

    Que isso Dudu, eu só posso lhe parabenizar pelo excelente trabalho que faz com esse site! Parabens mesmo.

    Valeu a dica cara! :)

  27. Dudu P says:

    [quote comment=”5134″]Otima Analise Dudu P.

    Eu estava em duvidas entre o VCI e o Xponent, acabei optando por um xponent que chega amanhã pra mim, mas vendo seu comentário surgiu uma duvida.

    No xponent você sabe se é possível soltar uma faixa como vinyl?

    []s[/quote]

    Graaaaaaande Mikrob! Honra total ter você por aqui, viu?

    Cara, eu tenho frequentado o fórum do Torq — afinal eu tenho um Conectiv, que uso como placa de som para o Vestax. O que eu vejo o pessoal dizendo lá é que os jogs do Xponent são muito parrudões e de plástico, funcionam melhor como jog wheel de CDJ padrão do que no esquema CDJ1000, como no caso do Vestax. Eu acho que deve dar pra jogar a faixa sim, mas não sei te dizer mesmo.

    Estou até passando o Vestax VCI-100 pra frente, pois já testei ele bastante, e quero pegar o Xponent pra ver qual é a dele com calma e dar meu veredito. O Xponent tem ótimas idéias em relação à inovação, o pessoal realmente pensou diferente. Mas só mexendo com eles na prática pra saber o resultado.

    Meu palpite é que, no fim das contas, eu vá ficar com o Vestax mesmo até que venham coisas melhores. Afinal, estamos na primeira geração de controladores, e assim como aconteceu com os CDJs, ainda temos muito caminho pela frente. Principalmente quando a Pioneer resolver apresentar o que ela está preparando, que dizem, é muito bom.

  28. rob mikrob says:

    Otima Analise Dudu P.

    Eu estava em duvidas entre o VCI e o Xponent, acabei optando por um xponent que chega amanhã pra mim, mas vendo seu comentário surgiu uma duvida.

    No xponent você sabe se é possível soltar uma faixa como vinyl?

    []s

  29. Dudu P says:

    [quote comment=”5120″]Só uma correção: quem quer tocar digital e fazer scratchs pode se utilizar de quase todas as plataformas disponíveis para a simulação de vinil. Inclusive acho que tem artigo nesse blog né? Final Scratch, Serato,…
    []s[/quote]

    Grande França, tudo beleza?

    Cara, então, dá pra fazer scratches em simuladores de vinil, com toda a certeza. Aliás, dá pra fazer até mesmo no Vestax VCI-100, tudo depende de qual tipo de scratch você quer fazer. Transformers e flares, por exemplo, que são os mais básicos.

    Mas quando chega na hora do vamos ver, scratch de verdade mesmo, como picotar frases sílaba a sílaba, UZIs, triplo cliques, mesmo com o Serato (que tem a menor latência do mercado) o negócio pode até se aproximar, mas não bate (e não vai bater) o vinil de verdade de jeito nenhum, até pela natureza física da coisa.

    É claro que alguém com muitos anos de turntablism vai conseguir fazer 90% do que faz, afinal macaco velho é outro esquema. O friso aqui na matéria é importante pois tanto aqui como em qualquer lugar do mundo, a primeira coisa que as pessoas perguntam é “dá pra fazer scratch?”. E controlador midi nenhum resolve isso tão cedo, nem o CDJ 1000, que é um aparelho caríssimo e com tecnologia de ponta, resolveu.

    É aquela parada: pra quem não é piloto de fórmula um, qualquer carro de lá vai ser uma maquina animal. Mas pra quem é piloto, tem muita diferença de uma Toyota pra uma Ferrari! 😉

  30. França says:

    Só uma correção: quem quer tocar digital e fazer scratchs pode se utilizar de quase todas as plataformas disponíveis para a simulação de vinil. Inclusive acho que tem artigo nesse blog né? Final Scratch, Serato,…
    []s

  31. Dudu P says:

    O negócio é tentar, treinar e treinar até não poder mais. No começo é muito difícil, demora pra caramba pra acostumar, todo mundo fica com um certo receio de tirar muito o pitch de lugar, mas a verdade é que ele sempre fica solto e você vai ajeitando com o passar do tempo.

    A melhor metáfora é você imaginar dois carros numa estrada. Você tem que manter eles emparelhados, e o pitch é como se fosse um acelerador. Se um carro está mais à frente, você aumenta a velocidade, ele vai começar a emparelhar, e com o tempo vai começar a ultrapassar. Aí você reduz a velocidade, depois aumenta mais um pouquinho, até ficarem juntinhos.

    O benefício é o que falei acima: quando você começa a perceber aquele leve diferença entre as batidas, você pode acelerar ou diminuir o pitch levemente. Se você tiver feito a coisa certa, as batidas começam a se acertar. Se tiver errado, as batidas vão continuar se afastando levemente, e você já esperto faz o contrário.

    Quando você mete a mão no disco/jog/bend, se você errar, a diferença aumenta muito, e aí começa o descarrilhamento dos trens! :)

    Procurem ver vídeos de profissionais de verdade. Vale dar uma olhada neste vídeo do DJ Friction (UK), é um belo exemplo de como você fica depois que pratica bastante:

    http://breakbeat.co.uk/Listen/player/DefaultASX.aspx?ID=13528

    Sobre o lance de resolução de pitch: relaxa com a parte técnica. O que interessa é ele ser suave. O pitch dos toca-discos analógicos são melhores, o problema deles é que ficam imprecisos (variando) mais rapidamente.

  32. Spektr says:

    Ae Dudu, valeu pela resposta.

    De fato notei que vc usa essa tecnica no seu video do Vestax. Jah havia visto isso antes sendo feito por outros Djs. Algumas vezes cheguei a tentar, mas acabo exagerando no controle e perco totalmente a sincronizacao das musicas. :) Um artigo seu sobre como fazer o pitch usando essa tecnica seria muito bemvindo!

    Ainda por cima, as vezes que eu tentei foram em CDJs e pickups, que tem um controle ‘linear’ de pitch. Nos controladores MIDI, esse controle eh digital com resolucao de 8 bits (portanto, 256 posicoes possiveis) e a tarefa se torna mais complicada. Vc deve ter as manhas aih (ate explicou como corrigir o controle do pitch original do traktor) pra fazer isso funcionar bem, mas tenho que assumir que pra mim ainda parece magica! 😛

    Finalmente eu concordo com vc que, por mais que vc queira, nenhuma musica tem uma velocidade 100% fixa e que a melhor forma talvez seja mesmo controlar direto no pitch.

    Abcs,

  33. Egon says:

    [quote comment=”5057″]Gente, uma dica sobre pitch bend: ele pode ajudar em algumas situações, mas o ideal é usar o pitch mesmo. Parece que é uma coisa boa, mas não é.

    Cada vez que voce usa algum pitch bend, sejam botões, jogs, ou metendo a mao no disco, você está deixando de corrigir um pitch que está ou atrasado ou adiantado.

    O ideal é mixar usando apenas o pitch, acelerando ou atrasando. Tira a idéia da cabeça de “cravar” o pitch e nunca mais mexer nele, porque isso nao existe. Na pratica, vc sempre está ajustando ele.

    É dificil, mas a sua vida melhora muito quando vc aprende essa manha. Eu mesmo ainda fico tentado a fazer bending assim, mas não vale e é arriscado — se você errar, fica feio. Fazendo a correção no pitch, se vc errar vc tem como corrigir e ninguém percebe.

    Ainda quero falar sobre isso aqui em um artigo no futuro, vai rolar com certeza.[/quote]

    Eu percebi no seu video…Como a maioria dos grandes DJs que eu conheco, vc utiliza o pitch para acertar…por isso vc falava do lance de 8% ser uma variação muito grande…quanto menor a variação do pitch mais precisão vc consegue no acerto.
    Eu tenho um certo vício em usar o pitch bend, mas as vezes fica feio realmente, pois dá pra perceber que vc ta “empurrando” ou “atrasando” a faixa.
    Vou dar uns treinos aqui utilizando sua técnica…pensando bem no assunto, se realmente vc precisa usar o pitch bend é porque o pitch não está exatamente cravado e a melhor forma de acertar isso seria corrigir o pitch.
    Valeu por mais uma ótima dica.

  34. Dudu P says:

    Gente, uma dica sobre pitch bend: ele pode ajudar em algumas situações, mas o ideal é usar o pitch mesmo. Parece que é uma coisa boa, mas não é.

    Cada vez que voce usa algum pitch bend, sejam botões, jogs, ou metendo a mao no disco, você está deixando de corrigir um pitch que está ou atrasado ou adiantado.

    O ideal é mixar usando apenas o pitch, acelerando ou atrasando. Tira a idéia da cabeça de “cravar” o pitch e nunca mais mexer nele, porque isso nao existe. Na pratica, vc sempre está ajustando ele.

    É dificil, mas a sua vida melhora muito quando vc aprende essa manha. Eu mesmo ainda fico tentado a fazer bending assim, mas não vale e é arriscado — se você errar, fica feio. Fazendo a correção no pitch, se vc errar vc tem como corrigir e ninguém percebe.

    Ainda quero falar sobre isso aqui em um artigo no futuro, vai rolar com certeza.

  35. Egon says:

    Spektr, o Vestax com a configuração básica usa a borda do jog…os botões de – e + que tem em outros controladores, o Vestax não possui… Mas como já disse, nas configurações do Traktor vc pode mapear algum outro botão do controlador para essa função.
    Espero ter ajudado.
    Abração.

  36. Leandro Artioli says:

    Dudu

    Confirmou as minhas impressãoes sobre o VESTAX VCI-100, eu não uso scratch, para mixar é ótimo, muito preciso e ágil passando uma sensação de segurança.
    Comprei o meu nos EUA, e veio a versão para MAC do TRACKTOR 3 LE apesar que estou tendo problemas para registrar on-line, por enquanto estou usando o prazo de 30 dias para expirar o software, se alguém tiver alguma dica para registrar ficarei bastante grato.
    Tive chance de testar o BCD 2000 e agora o VCI-100 e na minha opinião o Vestax oferece um padrão profissional que a Behringer deixa a desejar. Estou satisfeito apesar dos ajustes necessários: Tracktor LE ser fraco, configurar placa de som, mapeamentos e agora os arquivo TKS 3.2 (muito bom).
    Parabéns Dudu e mais uma vez obrigado pelas informações e por estes arquivos.
    Abraços
    Leandro Artioli

  37. Spektr says:

    Valeu Egon,

    Voce confirmou minhas impressoes. O pitch bend no Traktor definitivamente nao foi criado pra ser operado via jog dial. Eh uma pena, pois os outros concorrentes (virtual dj e deckadance) tem uma interface de similar ao pitch bend mas bem mais interessante pra nos que usamos controladores MIDI com jog dials. Infelizmente no Kontrol DJ, nao dispomos de tantos botoes quanto no Vestax, e acredite, jah estou usando todos intensamente! 😀

    Mas continua a pergunta: como o Vestax aborda o problema? Ele reserva botoes pra o pitch bend? Usa o jog?

    Abracos

  38. Egon says:

    Fui instalar o TKS e não rolou…deu a seguinte mensagem: “Could not load assignments. Incompatible file version “.
    Meu Traktor é o 3.2.0.080 …Tu sabe o que pode estar acontecendo?? Alguma incompatibilidade com minha versão??
    Valeu.

  39. Egon says:

    Putz…Quebrou Dudu!!!
    Tava achando a borda do jog extremamente sensível e tu salvou a pátria…fora as outras modificações do TKS que ajudam bastante.
    Já tinha me queixado em outra área do site sobre a faixa agarrar um pouco após fazer um scratch e soltar…isso tem a ver com o primeiro dos problemas que vc citou acima?? Tu sabe se rola autorizada Vestax aqui no Rio??
    Para o Spektr que perguntou sobre o pitch bend, eu achei que poderiam ter colocado a função em botões além do jog…De qualquer forma, pra quem quiser, é só entrar nas configurações de midi do Traktor e mapear algum botão de pouco uso para essa função.
    Fora alguns probleminhas citados acima (nada grave), de resto achei muito bom.
    Só que, com o lançamento do iDJ2 e do Cortex, eu já não sei mais se ficarei com esse setup controlador + placa + laptop…Vamos esperar os reviews desses mixers.
    Dudu, tu ta querendo quanto no Vestax?? Até pra eu ter idéia de preço pro meu se eu quiser vender.

    Abraço

  40. Airton says:

    Dudu, qual placa de som vc indica para utilizar com o VCI-100?

    Abraço,

  41. Airton says:

    Gostei bastante do vídeo, além do VCI-100 ter um visual muito bonito.
    Estou pretendendo comprar um controlador e minha opção até o momento é o BCD 3000. Porém, depois de ver esse vídeo e o controlador, fica a dúvida sobre qual comprar, principalmente, levando-se em conta as diferenças de preços, placa de som, etc.
    Parabéns pela matéria. Como sempre, muito bem elaborada.

    Abraço,

  42. Lucio K says:

    muito bem feito o videozinho!
    Realmente pra musica eletronica esse é o primeiro controlador realmente. Porque na musica eletronica é preciso agilidade do controlador, uma técnica maior, efeitos e mais precisão..
    Mas pra quem nao toca musica eletronica, um bcd 2000 pode suprir tranquliamente.. Afinal, não da pra afirmar o que é profissional ou nao nesse país.. 😉 Além da relatividade: Vc pode colocar um dj usando os melhores cd players e mixer e o *resultado final* ser bem pior do que o de um DJ que sabe usar o bcd com habilidade.

    abraço e obrigado pelo review.

  43. Spektr says:

    Ola,

    Engracado… Comprei um KontrolDj e tive a mesma impressao de vcs aih com o Vestax. Alem de bastante robusto (casing em metal, knobs firmes, etc…), tem um otimo Jog. Tambem tive os mesmos problemas com o pitch, mas isso eh uma limitacao do Traktor e/ou do padrao MIDI, que nao dah mesmo muita precisao. Tambem tive que arrumar um “workaround” pra isso no arquivo tks. Queria perguntar a vcs aih do submusica, como o VCI 100 aborda o pitch bend no traktor, visto que esse eh o meu maior problema com o conjunto KDJ + traktor. A Native Instruments simplemente nao fez uma boa interface para pitch bend, e a minha impressao eh que todos os controladores MIDI terao problemas com essa funcao.

    Parabens pelo artigo e pelo review!

  44. Dudu P says:

    Agora é hora de mandar vir um Xponent e destrunchá-lo também. Se alguém estiver interessado em comprar esse meu Vestax, está novinho em folha, como mostram as fotos. 😉

  45. MA says:

    Acho que o mais importante da matéria, além de todas as dicas e detalhes técnicos, é mostrar que controladores MIDI são uma excelente opção de trabalho para os DJs e não é pelo fato de que não faz scratches perfeitos etc que não mereça uma análise e uso. Eu *ainda* tenho o BCD2000, mas para o próximo ano trocarei com certeza. Resta ver por qual.

    Boa Dudu, as usual! 😉

  46. sabaO* says:

    Dudu mal postou o artigo ja li ja vi o video..
    Artigo do Dudu e coisa fina ainda mais falando do midi da vestax e coisa finissima.
    dudu ja falei em outras e sempre falo suas materias sao mto foda parabens brother..
    ta me insentivando D+ a partir pros midis mais como eu ja disse em outro post seu, to esperando o idj2 ( que segundo o site da numark ja ta nas lojas logo vao pipocar reviews) pra ver pra onde vai meu dindin, apesar q um post desse nivel me deixa ate confuso a unica coisa q pesa pra mim e ter q fazer 2 investimetos no midi desse nivel e numa placa de som razoavel dai pesa um pouco 😛
    bom e isso..

Voltar ao topo ↑