">Fala sério, a CENA DJ e afins está uma mentira só! - DJ Ban EMC - Cursos de DJ e Produção Musical
Contatos: (11) 3142-9676 / 3257-8717 / WhatsApp: (11) 97485-5700 - Seg. à Sex. das 09h00 às 22h00 e Sáb. das 09h00 às 18h00.

Fala sério, a CENA DJ e afins está uma mentira só!

Fala sério, a CENA DJ e afins está uma mentira só!

RESPEITO!
TOP é como dizer que está no topo, e que todo mundo sabe quem ou o que é. Sempre no “boca a boca”, em geral pelo trabalho que fez ou faz, não pela “negociação” que às vezes o eleva e, quando sem estrutura, inverte-se o processo onde a caída é inevitável. Cobra-se o preço que vale por seu trabalho, além de que tem condições de oferecer melhores resultados. São agências, DJs, produtores, rádios, clubs, lojas, etc. Em todos os segmentos, teremos escalões e o respeito deve ser de baixo para cima, como de cima para baixo, logo, cabe-nos RESPEITAR para ser RESPEITADO.

Como muito o que acontece no nosso mercado de uma maneira onde se imagina que tudo seja tão fácil, muitos pensam em furar a fila, outros em comprar seu espaço e outros em se vender. Esse post não vem pregar “a verdade”, mas de uma forma um pouco “complicada”, vem trazer coisas que são legais e outras não. A decisão é sua…  Não precisa alcançar seu objetivo para começar a respeitar alguém, que está no segmento que você quer atuar.

SE EQUIPAMENTOS NOVOS FACILITAM, VAMOS FACILITAR ?

Temos a cada dia mais e mais modelos de equipamentos no mercado, de todos os tipos, para todos os gostos e bolsos. Se é lançado um novo equipamento e nele constar toda a tecnologia do “faz sozinho”, vamos entender que qualquer um pode ser DJ ? Isso é virar a casaca! É como esperar a música se tornar popular para tocar… Equipamentos NUNCA terão sentimento, feeling de e para com a pista ou pessoas, não pesquisam, não ligam e não sobem canais sozinhos, logo, o DJ é e sempre será responsável por isso.

RESPEITAR, NÃO SÓ DIZER QUE PARTICIPOU… EU FUI. QUEM EU SOU ?

Se você é, não precisa lembrar ninguém. Dizer que viveu tal coisa e dela se vangloriar ou se achar mais importante que outros, pergunto: Será que só participar “participando” conta ? Tem um monte de gente que se gaba em ter ido em Clubs que foram muito importantes para a cena no geral, legal, mas aí afirmar que é um ser superior por isso é bem chato. Respeitar é o princípio, além de que mesmo às vezes sendo ativo e não ter se reciclado, ajuda em quê? Tal qual alguns DJs se vangloriando que já tocaram aqui, ali, correram, correram, correram e… Cansaram. Não prosseguiram e reclamam dos que chegaram depois, esses com mais energia, gama, vontade e vanguarda, logo, a cultura e vivência podem fazer a diferença, desde que como referência ou na prática. Quem “faz” ou “é”, sempre será lembrado, mesmo sem auto divulgação do “eu sou!”.

DJ que é DJ sempre será ou aquele que quer, poderá… Top que é Top, dificilmente cairá. E quem não dá pra coisa, pode até aparecer mas desaparecerá. TOPagando-a-luz é um caso recente. (veja abaixo seção Tops)

E MUDAMOS O ASSUNTO:

Verdadeiro ou Falso? Verdade ou Mentira? Esquerda ou Direita? Sensacionalismo? Inveja? Exemplos a seguir ou não seguir? Zueira? Carapuça? “Estou aqui pra confundir, não para explicar”, como diria Abelardo Barbosa, o Chacrinha. Relaxe, critique, reflita, justifique, brigue, pense, chore ou grite. Cause, seja, faça… 

SER, PENSAR EM SER

Existe uma grande diferença em uma seção de fotos com um fotógrafo conceituado (estudou, pesquisou, criou, investiu, chegou lá…), das fotos tiradas por aquela câmera sensacional da mulher da TV, que você filma, grava, edita e ainda manda ela pegar o jornal no quintal todo dia. O ângulo pode até ser o mesmo, mas o resultado final… Para DJs e artistas no geral sempre ocorreu, ocorre e ocorrerá a mesma coisa. Colocar um fone de ouvidos na cabeça NÃO quer dizer que seja um DJ, logo, quem tem medo dos que não são, pode ser que também não seja. Ou o mercado não esta ligando se…

VOCÊ É DJ. E DAÍ ?

Caso 1
Cliente: “Oi, quanto você me faz o DJ Fulano?”
Empresa: “R$ 10.000,00”.
Cliente: “Poxa, tá caro!”. “Melhora ?”
Empresa: “Hmmmm… Te faço por R$ 2.000,00 mas você leva também os “TOParceiro”, “TOPreguiça” e o “TOPuto” (veja abaixo seção tops).
Cliente: “Beleza, fechado!”

Caso 2
Cliente: “Oi, quanto você me faz o DJ Fulano?”
Empresa: “R$ 10.000,00”.
Cliente: “Poxa, tá caro!”. “Melhora ?”
Empresa: “Hmmmm… Te faço por R$ 500,00 mas você só pega DJ nosso”
Cliente: “Beleza, fechado!”

Caso 3
Cliente: “Oi, quanto você me faz o Ciclano?”
Empresa: “R$ 10.000,00”
Cliente: “Poxa, tá caro!”. “NEM DJ ELE É...”
Empresa: “Hmmmmm, verdade, mas ele tem MÍDIA né ?!”
Cliente: “Beleza, fechado!”

ISSO NOS REMETE A UMA CONFUSÃO DE VALORES, NÃO? SIM, MUITOS VALORES:

TOP 10, 100, 1000 DJ
Como podem existir várias revistas e sites de um ÚNICO segmento (música, cultura DJ) onde  cada uma faz a votação dos TOP 10 ou 100 a nível Brasil e vários, exatamente vários aparecem numa, inclusive alguns em boa posição e na outra nem aparecem ? Será que temos “vários” tipos de público nesse segmento “enorme” ?

TOP 10, 100, 1000 DJ parte 2, “melhor confundir e se divertir que informar”
Todo o respeito e admiração a quem produz, logo, por conseguirem tremendo sucesso por suas produções, são contratados e muitas vezes confundidos como DJs.

De outro modo, tem o lado da escolha em contratar “artistas, modelos, etc. que posam de DJs” e a exemplo dos produtores, não são DJs.

E as “TOPeriguetes” então ? (ver abaixo seção TOPs)

– A culpa (se é que existe) é de quem contrata, de quem esta pagando para dançar (público) ou de quem não informa corretamente ?
– Se a mídia diz que é, e segundo ela, o público é quem realmente vota, então temos realmente uma conivência. (De erros ?)
– Se não é mal uma casa noturna contratar uma atração como DJ sendo que o mesmo não é DJ, e partindo desse princípio, que mal tem certos donos de Clubs quererem pagar R$ 50,00 por noite a alguns DJs (que aceitam) ? Temos DJ em ambos os casos ? Ou temos apenas mal exemplos ?

TOP 10, 100, 1000 DJ parte 3, “vote em mim”
Quando saem os indicados, a frase de alguns é: “vote em mim”. Quando vem o resultado e não se ganha, a frase muda: “panela”!

A PALAVRA “PANELA” DEU FOME DE “JABÁ”…

Muito se fala que as rádios são “jabazeiras” (tocam músicas negociadas com gravadoras, etc). OK. Já é claro e notório que isso ocorre, talvez desde o surgimento do rádio, legal, mas o que tem a ver? Sim, eis que ele está presente, o JABÁ. “Te dou gigs e você me dá anúncios”, “Toco aí e você toca aqui ou ali indicado por mim”, “Me dá uma garrafa de Vodka que eu toco na boa”, “Me contrata que te indico…”, “Toco por R$ 100,00 mas você me contrata por X vezes”. E por aí vai. Negociação “saudável” ? Claro, como as rádios fazem…

FALAR EM PANELA E JABÁ, LEMBRO DA HISTÓRIA: “O AÇOUGUEIRO”

Carlo, o DJ que cobrava R$ 50,00 para tocar era muito mal falado entre os DJs profissionais, que tem cachês de acordo com a festa variando de R$ 300,00 a R$ 15.000,00 por seção.
Pedro, o açougueiro conhecido da maioria dos DJs consegue trazer no meio das carnes importadas, equipamentos de DJ e estúdio. Pedro não oferece nota fiscal, vende mais barato que o valor normal do produto, não tem a mínima noção do que ele vende e vende somente em dinheiro.

DJ não cobrar ou não se valorizar é tão mal quanto PROFISSIONAIS não valorizarem seu mercado: DJs, Agências, Produtores, Revistas, Sites, Blogs, Lojas, Clubs, Festas… Ou não ?

VALORIZAR ARTISTAS = TOCAR VERSÕES RIDÍCULAS ?

Em vez de direitos autorais cobrado pelos escritórios de arrecadação, devia se cobrar das versões ridículas que temos hoje dando em árvores (leia-se via web). Sem sentido, sem performance, sem qualidade, sem criatividade e sem vergonha de quem toca! É o famoso “jeitinho” que temos e muitos passam a palavra. Numa época não tão distante você tinha um remix, dois e alguns casos até mais, porém hoje você tem versões diferentes e mal produzidas até para carros de som dos vendedores de pamonha. Mas tem gente que curte…

APROVEITEMOS A INTERNET E VAMOS AS COMPRAS COM: “MÚSICAS DEGRAÇA”

Há aqueles que vivem falando do “vizinho”, que toca de graça. Ele só esquece de olhar a calda. Baixa música de graça, tem o melhor telefone pois comprou no “esquema”, tem um ótimo equipamento porque também comprou no “esquema” ou tem o pior e diz que é o melhor (leia-se não sabe ler), vive com roupas de marca, que nem sempre são verdadeiras e paga de gatão, gatona. Orgulha-se em ter milhões de músicas no seu HD Ultra Hi Power Esquematization… E precisa conhecer as músicas ?

QUEM BAIXA MÚSICA, TEM DIREITO DE FALAR MAL INCLUSIVE DO: VIRTUAL DJ, QUE COMO O NOME DIZ…

É virtual. Tem gente que ama, idolatra e tem gente que nem conhece, mas mete o pau. Por que? Porque acredita que o software possa ser melhor que ele. O VDJ é o 3X1 (três em um) da geração 2000. Tem gente que começou lá atrás, com as “Garrards”, seguiu e hoje esta por aí, tal qual podemos ter sucessores que sairão do VDJ. Se na Garrard o trâmite era mais difícil que hoje, mais um motivo de acordar para a vida: “Quem vive de passado é museu”. Tem muito mais gente fazendo o povo dançar com VDJ eticamente que outros com CDJs-1000 não sabendo onde se liga o “efeito” (leia-se NÃO tem efeito). INFORMAÇÃO é tudo. Seja VDJ, Garrard ou iPod, a festa tem de acontecer. Seu nível está acima? Sem problemas, solicite o equipamento desejado e boa festa, mas respeite! O exemplo não deveria vir dos de cima?

NÃO SE VALORIZA, BAIXA MÚSICA DE GRAÇA, ATRAPALHA E AINDA RECLAMA ?

Então você é de BAIXO, bem BAIXO. Nesse caso, não depende o que você usa, se caro ou barato, se todas as ações acima ou apenas uma. Você contribui para um cenário cada vez pior, tal qual mais dia, menos dia, o afetará. É a coisa mais normal nesse “mercado”: fazer com os outros o que NÃO gostaríamos que fizessem conosco. Mas há quem diga que todo esse processo é o que há. Você consegue se ver nisso ?

E A “BRIGUINHA” DA TERCEIRA SÉRIE, CURTE ? DJ “BOTÃO” X DJ “MK”

Sim, ainda tem gente preocupada em qual mídia é melhor, não com sua técnica, aparência, sua biografia, suas festas ou com o PÚBLICO… “DJ que é DJ toca, faz, acontece e basta!”
Ps: Temos orgulho em ensinar nos nossos cursos DJ utilizando (também) os Toca Discos, que é realmente uma forma essencial no que tange a cultura DJ, formato, contato e base de ensino, mas há muito mais a acrescentar que a mídia que a pessoa vai usar. Ops… Perda de tempo, melhor incentivar a brigar mesmo pois quem faz a pista é o equipamento.

MODA É PAGAR CARO ? E OS INVESTIMENTOS QUE NÃO VOLTAM, TAL QUAL O CONTRATADO ?

Muitos e-mails diários sobre “qual o melhor disso ou daquilo”. Nota-se que não querem uma base ou aprender e sim o melhor ter… O melhor equipamento só tem bom uso na mão de quem sabe usar. Este faz barulho até com maus equipamentos se preciso. Há alguns casos portanto que até em release você vê o que o “DJ”(?) usa. Depois… Decepção ? Contratou por esse preço e a pista ficou vazia? Parabéns! Tenta lembrar agora do seu “residente”, que ganha mal, abre e fecha para quem vem fazer a pose, mas segura a pista e faz seu bar faturar. Contratou pelo nome? Parabéns! Colocou nome achando que não precisava ter PROMOÇÃO ? Claro que não! Continue assim…  Ah, você contratou, teve casa cheia e ganhou dinheiro? Calma então, o texto não é para você! Com exceção da parte do “residente”, desde que ELE se valorize.

MAS TAMBÉM, FOI ACREDITAR NO RELEASE

Quem é que lê release ?

MULTIDÃO ou MENTIRÃO?

Um festival com 5 pistas para 50.000 pessoas sendo que cada espaço comporta 5.000 (que já é bastante), num release você vai ler o seguinte: “Tocou para 50.000 pessoas…”. Num outro caso, o pedreiro que faz uns bicos como DJ insere em sua apresentação: “já toquei nos clubs x, y, z…”, só faltou dizer a maneira como havia tocado. Mas o mais normal é atrelar grandes nomes junto a sua apresentação, onde dá a entender que inclusive são amigos de velha data… O release do futuro será: “já toquei com fulano, ciclano e beltrano no meu sonho”. Mas o pior está por vir.  Quem contratar, vai “melhorar” esse texto a seu favor e BINGO! Casa cheia!

Nota 1: Muita gente lê release sim. Tal qual as empresas que utilizam de seus CV como rascunho. O meio ambiente agradece.
Nota 2: Seu release será alimentado de acordo com o conhecimento…

NINGUÉM TE CONHECE, DEPOIS VOCÊ NÃO CONHECE NINGUÉM

Eu conheço a Xuxa, mas ela não me conhece… Wow! Continue correndo para fazer as pessoas te conhecerem e siga o trivial: Quando for conhecido (de ser famoso) diga: “Não conheço!”. O que importa é que o conheçam! Isso se atrela que o que o DJ “conhecido” faz é sensacional, independente do que ele faça (mesmo sendo muito ruim). Tem também  coisas do tipo: “Estava lá e foi tudo!”. Todo mundo sabe que não foi, masssssss… Há momentos de um e de outro, claro, mas tem coisas que até mesmo quem foi homenageado não entende o porquê. No mais, é melhor dar parabéns “a la tapinha nas costas” que ser excluído da comunidade. Ou não ?

NESSE MOMENTO, NASCE O TOP, MAS COM TANTA ONDA, SURGIRAM VÁRIOS TIPOS DE TOPS:

TOPuto
É aquele que só reclama. Não se conforma com sucesso alheio, não trabalha e não faz nada, mas vive puto!

TOParado
É o DJ que vive na prateleira, seja da agência ou no seu cotidiano mesmo.

TOPedavida
Ao contrário do TOPuto, esse alcançou um determinado ponto e estagnou. P da vida pois foi ultrapassado…

TOPratrás
Quase igual o TOPedavida, mas esse nem chegar a algum lugar chegou…

TOPrivilegiado
Não toca bem, não leva público mas vive “bem” acompanhado…

TOPianinho
É o que foi criado por alguém, cujo qual vai lá a esquema robozinho, bate a carteira e até logo.

TOPré-pago
Nova modalidade, esse já põe em seu release que só recebe, não precisa nem tocar.

TOPlagiando
Copia charts, pirateia na boa, copia o modo de tocar e até nome se preciso…

TOPreguiça
Versão “edit” do TOPlagiando, esse só copia charts pois tem preguiça de copiar o resto.

TOParceiro
Esse “vive” ao lado dos TOPs de verdade, oferece “parceria” – lê se jabás – a quem quer que seja e pronto.

TOPorfora
É o contratado que não sabe por que sua agência o mandou para determinado local…

TOPelado
É o famoso criado pela mídia, aquele que o colocaram na cabine sem querer, e ele sem saber o que fazer.

TOPronto
Esse está sempre pronto para derrubar um outro companheiro de cabine. Faz por 10, o que o outro fazia por 100,

TOPa-tudo
Pior que o TOPronto, não mede esforços para fazer de graça o que o TOPronto fazia por 10,

TOPedindo
Famoso pidão, mas que nunca vai “ao treino”. Quando lhe passam a bola, é um desastre certeiro!

TOPeriguete
Embora todas as frases acima se enquadrem para o lado feminino, esse é o mais usado para alguns casos. Precisa dizer o resto ?

TOPdezMP3
A pesquisa mais profunda que existe! Compra-se o TOP Ten do site e pronto. Difícil…

TOPagando
É o mais conhecido de todos sendo que desse termo surgiram vários:
TOPagando de DJ, TOPagando para ser DJ (tocar), TOPagando de entendido, TOPagando de TOP, TOPagando de Gaiato!

E tem o meu caso que é o TOPapagaiando.

AINDA BEM QUE É PRIMEIRO DE ABRIL !


DJ profissional desde 1989, radialista e locutor, é fundador e diretor da DJ Ban – Electronic Music Center.

Compartilhe este post:



Pesquise no Blog:



Categorias do Blog



Conheça a Ban em um minuto